jump to navigation

Tratamento precoce é a chave para controle da esclerose múltipla 09/06/2014

Posted by Esclerose Múltipla in Esclerose Múltipla.
comments closed

Em palestra recente em São Paulo, especialista americana comenta as novidades da terapia da esclerose múltipla e o atual pensamento dos neurologistas.

A esclerose múltipla, doença debilitante que atinge cerca de 30 mil brasileiros, está novamente em discussão após a divulgação de resultados de novas drogas para o combate à doença que causa a incapacidade de adultos jovens.

Apesar de chegarem aos poucos, as terapias disponíveis estão fazendo a diferença no tratamento e na recuperação dos pacientes. Além disso, é crescente entre os neurologistas o protocolo segundo o qual o tratamento deve ser pautado por ações que monitorem a evolução da doença e, dessa forma, sejam evitados mais danos ao sistema nervoso central.

Em palestra em São Paulo, a professora de neurologia da Universidade de Stony Brook, Patricia Coyle, especialista em esclerose múltipla, falou sobre a importância do diagnóstico e do tratamento precoce, que aumentam a qualidade de vida do paciente, além de evitar a progressão da doença para a forma mais agressiva. “Hoje, iniciar a medicação o mais cedo possível, acompanhar constantemente e realizar exames para monitorar a evolução da doença são passos que fazem parte do cotidiano de grande parte dos especialistas. Essa prática já é um consenso entre os médicos”, ressalta Patricia.

A especialista destaca as opções disponíveis no mercado mundial, às quais os pacientes brasileiros terão acesso em breve, após sua aprovação pela Anvisa, ocorrida em março. É o caso da teriflunomida, medicação via oral indicada para os casos leves a moderados da doença. “Um de seus grandes diferenciais é a facilidade de adesão ao tratamento e a boa resposta do paciente, já que algumas terapias têm efeitos colaterais severos, além de serem injetáveis”, observa a professora.

O alemtuzumabe, por sua vez, é a mais nova promessa do tratamento da esclerose múltipla. A administração é intravenosa, mas feita em dois ciclos de cinco dias, no primeiro ano, e mais três dias no ano seguinte. Após esse tratamento anual, sob a orientação médica, cerca de 80% dos pacientes não precisam repetir mais a medicação, tendo a possibilidade de ter uma vida mais próxima da normalidade.

Fonte: O Debate

Anúncios

Esclerose múltipla pode ser detectada antes dos primeiros sintomas, diz estudo 22/02/2014

Posted by Esclerose Múltipla in Esclerose Múltipla.
comments closed

Pesquisadores descobriram que a presença de determinado anticorpo no sangue acusa que a doença se manifestará no futuro

A esclerose múltipla destrói a mielina, camada que reveste as fibras nervosas no cérebro, prejudicando a comunicação entre os neurônios e dando origem a uma série de problemasA esclerose múltipla destrói a mielina, camada que reveste as fibras nervosas no cérebro, prejudicando a comunicação entre os neurônios e dando origem a uma série de problemas (Kiyoshi Takahase Segundo/Getty Images/iStockphoto)

Pesquisadores da Alemanha descobriram que a presença de um determinado anticorpo na corrente sanguínea de uma pessoa pode indicar a presença de esclerose múltipla anos antes de os primeiros sintomas surgirem.

De acordo com o estudo, apenas parte dos pacientes com esclerose múltipla parece apresentar o anticorpo KIR4.1 antes de a doença se manifestar. Por outro lado, nenhuma pessoa livre da condição tem a substância na corrente sanguínea. Ou seja, a ausência do anticorpo não necessariamente significa que um indivíduo nunca terá esclerose múltipla, mas a sua presença necessariamente acusa que a doença se manifestará no futuro.

A pesquisa, desenvolvida na Universidade Técnica de Munique, teve os resultados divulgados nesta sexta-feira. Ela também será apresentada em abril durante o encontro anual da Academia Americana de Neurologia, nos Estados Unidos.

Não se conhece a causa a esclerose múltipla, e não existe cura para a doença. Sabe-se apenas que ela ocorre quando há danos ou destruição da mielina, uma substância que envolve e protege as fibras nervosas do cérebro, da medula espinal e do nervo óptico. Quando isso acontece, são formadas áreas de cicatrização, ou escleroses, e surgem diferentes sintomas sensitivos, motores e psicológicos.

O estudo alemão se baseou nos dados de pessoas que haviam participado de uma pesquisa de longa duração. Os participantes foram acompanhados por vários anos e tiveram amostras de sangue recolhidas diversas vezes.

Análise — No novo estudo, os autores selecionaram dezesseis pessoas diagnosticadas com esclerose múltipla e analisaram suas amostras de sangue recolhidas seis anos antes de os primeiros sintomas da doença aparecerem. Depois, os pesquisadores compararam essas amostras às recolhidas de outros dezesseis indivíduos que não apresentavam o problema. Na análise, os pesquisadores procuraram especificamente pelo anticorpo KIRK4.1.

Segundo os resultados, sete dos dezesseis pacientes com esclerose múltipla apresentaram o anticorpo antes de os primeiros sintomas surgirem. O exame do anticorpo deu negativo em todos os participantes sem a doença.

De acordo com Viola Biberacher, coordenadora do estudo, o próximo passo será replicar esse teste em um grupo maior de participantes para determinar quão precocemente é possível prever a esclerose múltipla a partir da análise do anticorpo. “Detectar a doença antes de ela se manifestar clinicamente pode significar melhores tratamentos e até a possibilidade de prevenir o surgimento dos sintomas”, diz.

 Fonte: Revista Veja

O Fantasma da Esclerose Múltipla 13/06/2012

Posted by Esclerose Múltipla in Esclerose Múltipla.
comments closed

Vídeo com 9 minutos de duração disponibilizado pela EMSP (European Multiple Sclerosis Platform)

O QUE É ESCLEROSE MÚLTIPLA? 30/08/2008

Posted by Esclerose Múltipla in Esclerose Múltipla.
comments closed

[Quer copiar nossos artigos e notícias? Cite a fonte!]

Esclerose Múltipla: Guia Visual 30/08/2008

Posted by Esclerose Múltipla in Esclerose Múltipla.
comments closed

Clique no link abaixo para ver o arquivo em Flash (SWF):

http://esclerose.multipla.googlepages.com/EM.swf

Mapa da EM 26/02/2008

Posted by Esclerose Múltipla in Esclerose Múltipla.
comments closed

Clique no link para acessar o Mapa da Esclerose Múltipla.

Acesse também o Fluxo da Esclerose Múltipla

Fonte: MedMap

Vídeos – Esclerose Múltipla em Ação 28/01/2008

Posted by Esclerose Múltipla in Esclerose Múltipla.
comments closed

Animação em português:

Animação em inglês:
Bem didática.

Animação em inglês:
What is multiple sclerosis?
During an MS attack, inflammation occurs in areas of the white matter of the central nervous system in random patches called plaques. This process is followed by destruction of myelin, the fatty covering that insulates nerve cell fibers in the brain and spinal cord. Myelin facilitates the smooth, high-speed transmission of electrochemical messages between the brain, the spinal cord, and the rest of the body; when it is damaged, neurological transmission of messages may be slowed or blocked completely, leading to diminished or lost function. The name “multiple sclerosis” signifies both the number (multiple) and condition (sclerosis, from the Greek term for scarring or hardening) of the demyelinated areas in the central nervous system.

Informativo e animação em espanhol:
Vídeo informativo sobre la Esclerosis Múltiple dirigido al publico en general y pacientes, elaborado por la Fundación Española de Enfermedades Neurológicas y avalado por la Sociedad Española de Neurología.

O difícil diagnóstico da esclerose múltipla 03/09/2007

Posted by Esclerose Múltipla in Esclerose Múltipla, Espaço médico, Utilidade pública.
comments closed

O dia 30 de agosto é considerado o Dia Nacional de Conscientização sobre a Esclerose Múltipla, a enfermidade neurológica crônica mais predominante em jovens, entre os 20 e 40 anos. É uma doença pouco conhecida, que compromete significativamente a vida do doente e das pessoas próximas a ele. A falta de informação e não saber qual médico procurar são os desafios da doença, por isso, o número de casos diagnosticados vem crescendo no Brasil. No primeiro trimestre desse ano, o Sistema Único de Saúde (SUS) realizou 544 internações decorrentes da doença. No ano passado, o total de assistências foi 2.328. Em contrapartida, o custo gerado em decorrência da EM é elevado.A investigação é difícil porque os sintomas não são permanentes no primeiro momento e quando a pessoa percebe, geralmente, a doença se encontra em fase mais adiantada. Sua causa ainda é desconhecida. Sabe-se que o paciente nasce com uma predisposição genética e que alguns fatores ambientais, como a exposição solar, o tabagismo e alguns tipos de vírus, funcionam como um “gatilho” no desencadeamento da doença. Em aproximadamente 85% dos pacientes o quadro clínico da EM se inicia sob a forma de um surto (sintomas neurológicos que duram no mínimo 24 horas) da doença.

Das manifestações clínicas iniciais, 46% são sinais e sintomas medulares (fraqueza das pernas, dormências, disfunção sexual e incontinência urinária); cerca de 20% dos pacientes reclamam de um quadro vista embaçada; 10% de síndromes de tronco cerebral (visão dupla, desequilíbrio, tonturas e falta de coordenação motora); e o restante por uma combinação dos sintomas.

Nos pacientes, transtornos do humor, como depressão e ansiedade, são muito comuns. Assim como a fadiga, falta de energia para as atividades diárias. Na maioria das vezes, a fadiga é confundida com preguiça, dificultando o diagnóstico.

O diagnóstico é baseado na história clínica relatada pelo paciente associado ao exame neurológico. Exames como a ressonância magnética do cérebro e o exame do líquido da espinha são importantes para sua confirmação e para afastar outras doenças que podem simular a esclerose múltipla.

Fonte: Paraná-Online

Esclerose Múltipla – mais informações 15/08/2006

Posted by Esclerose Múltipla in Esclerose Múltipla.
comments closed

Artigo da Liga de Neurocirurgia: sistemanervoso.com

Doença crônica que acomete, em sua maior parte, adultos jovens caracterizando-se por desmielinização, múltiplas áreas de inflamação e formação de cicatrizes gliais (escleroses) na substância branca do sistema nervoso central. A incapacidade é progressiva. (mais…)

Descobrindo a esclerose 03/08/2006

Posted by Esclerose Múltipla in Esclerose Múltipla, Qualidade de vida, Utilidade pública.
comments closed

Apesar de não ter cura, doença pode ser controlada com uso de medicamentos

Clique sobre a imagem para vê-la em tamanho maior.

descobrindo_esclerose.JPG

A esclerose múltipla acomete mais de 30 mil pessoas no país e pode comprometer a capacidade motora, sensitiva e cognitiva se não tratada. (mais…)

Esclerose Múltipla em resumo 28/07/2006

Posted by Esclerose Múltipla in Esclerose Múltipla.
comments closed

Esclerose múltipla

O sistema nervoso faz a comunicação das diferentes partes do corpo entre si e com ele mesmo. Normalmente os nervos estão protegidos por uma capa chamada por mielina. Na esclerose múltipla (EM) , ocorre uma inflamação dessa capa, que acaba se dissolvendo. Com o tempo, a mielina é substituída por tecidos cicatricial em locais isolados do cérebro e da medula. Os impulsos nervosos, que normalmente são transmitidos a uma velocidade de 360 quilômetros por hora, param ou se tornam muitos lentos. As pessoas com maior probabilidade de desenvolver a EM são: (mais…)

Esclerose múltipla em ação 09/05/2006

Posted by Esclerose Múltipla in Esclerose Múltipla, Espaço médico, Você sabia?.
comments closed

Clique sobre a imagem para vê-la em tamanho maior.

pic.jpg


O QUE É ESCLEROSE MÚLTIPLA? 24/02/2006

Posted by Esclerose Múltipla in Esclerose Múltipla.
comments closed

A esclerose múltipla (EM) é uma doença inflamatória que não tem cura e extremamente invasiva. Atinge as fibras nervosas responsáveis pela transmissão de comandos do cérebro a várias partes do corpo, provocando um descontrole interno generalizado. Muitas vezes o termo esclerosado é usado para as pessoas que perdem a memória ou apresentam outras confusões mentais quando vão envelhecendo. Não tem nada a ver! A esclerose múltipla não tem nenhuma relação com as limitações que surgem com o envelhecimento. Trata-se de um problema comum em adultos jovens, na faixa de 20 a 40 anos. O maior pico é por volta dos 30 anos. Raramente pessoas na terceira idade desenvolvem a doença.

A esclerose múltipla não é um processo degenerativo contagioso e, na maioria dos casos, não é fatal. Apesar de não ser herdada, atinge pessoas geneticamente predispostas a doença e se manifesta de diferentes modos. Atualmente, há cerca de 35 mil brasileiros que sofrem deste mal. E, em geral, as mulheres são as mais atingidas (na proporção de duas mulheres para um homem).

O diagnóstico não é simples e pode levar alguns anos para ser feito corretamente, pois os sintomas se assemelham, em alguns casos, com outros tipos de doenças do sistema nervoso (devido aos sintomas iniciais, muitas vezes o paciente nem procura orientação médica). Entre os principais sintomas da doença estão alteração no controle de urina e fezes, comprometimento da memória, depressão, dificuldades de movimentos, fala e deglutição, dores articulares, dormências, fadiga intensa, mudanças de humor, paralisia total ou parcial de uma parte do corpo, perda da visão em um ou ambos os olhos, queimações, sensações de formigamento. tremores e tonturas. Segundo o neurologista Dagoberto Callegaro, “estes sinais podem levar horas ou dias para aparecer. Em média, a doença inicia com um surto por ano ou um a cada dez meses. Chamamos de surto um novo sintoma neurológico que provoca uma alteração sensitiva ou motora”.

A forma mais comum de esclerose múltipla é a recorrente-remitente (quando os surtos podem deixar seqüelas ou não). A primário-progressiva é a pior forma de esclerose, onde a evolução da doença é galopante. A rápida progressão pode causar paralisia dos membros, perda da visão ou demência se não for tratada a tempo.

A esclerose múltipla pode se manifestar de 4 formas:

  • Remitente-recorrente: é a manifestação clínica mais comum, caracterizada por surtos que duram dias ou semanas e, em seguida, desaparecem.
  • Progressiva-primária: apresenta uma progressão de sintomas e comprometimentos (seqüelas) desde o seu aparecimento.
  • Progressiva-secundária: pacientes que evoluíram da forma remitente-recorrente e vão piorando lenta e progressivamente.
  • Progressiva-recorrente: do tipo progressiva com surtos. Desde o início da doença, mostra a progressão clara das incapacidades geradas a cada crise.

A ciência ainda não descobriu a causa da doença nem sua cura (atribui-se à doença a uma reação auto-imune do organismo, que em algum momento e por algum motivo, começa a atacar o Sistema Nervoso Central). Acredita-se que o motivo mais provável seja um vírus não identificado até o momento.

Entendendo melhor o desenvolvimento da esclerose múltipla

Ainda não se sabe o porquê do ataque ao Sistema Nervoso Central, que é dirigido à mielina – uma substância gordurosa que cobre as fibras nervosas do cérebro e facilita a comunicação entre as células. Esse ataque acontece silenciosamente e recebe o nome de desmielinização (o processo de destruição das camadas da mielina). Uma vez que as camadas da mielina vão sendo destruídas, as mensagens que saem do cérebro são atrasadas ou bloqueadas de vez, alterando, assim, o funcionamento da região que esperava um comando de ordem. Onde quer que a camada protetora seja destruída, forma-se um tecido parecido com uma cicatriz. Daí o nome esclerose. E é múltipla, pois atinge várias áreas do cérebro e da medula espinhal . A gravidade de cada caso está relacionada com a área afetada. Se atinge a medula, o paciente geralmente manifesta fraqueza, dormência ou paralisia dos braços e pernas. Não se tem como avaliar o desgaste da mielina; por isso, o diagnóstico é basicamente clínico, baseado nas queixas dos pacientes, em seu histórico médico, na avaliação dos sintomas e na existência de sinais neurológicos (através de testes para avaliação de coordenação, reflexos e sensibilidades). Exames como ressonância magnética, avaliação do líquido da medula espinhal (líquor) e potencial evocado também são fundamentais neste momento.

  • A atenção da família e de pessoas próximas é essencial ao doente. Como o indivíduo perde a capacidade de fazer coisas simples, o apoio familiar ajuda a manter sua vida quase normal e sua saúde mental em melhor condição.
  • É importante controlar o estresse físico e emocional.
    Sessões de fisioterapia auxiliam no tratamento.
    Procurar reduzir o excesso de peso e praticar algum tipo de atividade física (caminhada, hidroginástica, por exemplo).

A luz no fim do túnel

Atualmente não existe a cura para a doença. Entretanto, como vimos, as pesquisas não param. Existem avanços na área e novos medicamentos que possam, pelo menos, tornar os efeitos da esclerose múltipla menos agressivos. É o caso dos remédios chamados imunomoduladores e imunosupressores (capazes de aliviar ou reduzir os sintomas da esclerose).

O acompanhamento terapêutico também é fundamental ao paciente de esclerose múltipla, cuidar da mente é tão importante quanto tomar a medicação correta. O neurologista Cícero Galli Coimbra afirma que, “O sistema imunológico é ativado toda vez que enfrentamos uma situação de estresse grave. Avisado de que algo está errado em nosso organismo, ele começa a vasculhá-lo na tentativa de identificar ‘invasores’ como vírus e bactérias. Por fim, acaba atacando a bainha de mielina que envolve os neurônios. Com a estabilidade emocional, 85% dos surtos podem ser reduzidos. Psicoterapia e terapia ocupacional são indicadas para organizar os pensamentos e as atividades”.

Não há como prevenir a esclerose múltipla. Nem se pode afirmar quem ou não é propenso à doença. A recomendação é manter uma dieta equilibrada. E para aqueles que já foram atingidos pelo mal, uma dieta adequada é recomendada.

  • As fibras presentes em cereais integrais e leguminosas ajudam a fazer a digestão.
  • Dietas de baixo teor de gorduras saturadas (presente em produtos de origem animal) e ricas em ômega 3 podem retardar a evolução da doença (baseado em estudos realizados).
  • Evite ingerir alimentos duros, pois são difíceis de digerir e podem provocar engasgos.
  • Refeições pastosas ou líquidas (purês e/ou sopas) são as mais recomendadas.

Fontes: “Revista Viva saúde” e “Guia da Vida Saudável” e “Alimentação e Saúde de A a Z”