jump to navigation

Técnica de ressonância magnética acelera detecção da esclerose múltipla 21/06/2013

Posted by Esclerose Múltipla in Espaço médico.
trackback

Trabalho fornece uma ferramenta mais poderosa para acelerar a investigação da doença e avaliar o desempenho de novos tratamentos

Imagem de ressonância magnética mostra as mudanças na estrutura do tecido do cérebro
Imagem de ressonância magnética mostra as mudanças na estrutura do tecido do cérebro

Pesquisadores da University of British Columbia, no Canadá, desenvolveram uma nova técnica de imagiologia por ressonância magnética (MRI) que detecta os sinais indicadores de esclerose múltipla em detalhe mais nítidos do que nunca.

O trabalho fornece uma ferramenta mais poderosa para acelerar a investigação da doença e avaliar novos tratamentos.

A nova técnica analisa a frequência das ondas eletromagnéticas recolhidas por um escâner de RM, em vez do tamanho das referidas ondas. Embora a análise do número de ondas por segundo havia sido considerada uma forma mais sensível de detecção de alterações na estrutura do tecido, a matemática necessária para criar imagens utilizáveis provou ser assustadora.

A esclerose múltipla (MS) ocorre quando as células do sistema imunológico de uma pessoa atacam o isolamento de proteção, conhecido como mielina, que circunda as fibras nervosas. A decomposição da mielina impede os sinais elétricos transmitidos entre neurônios, o que conduz a uma variedade de sintomas incluindo dormência ou fraqueza, perda de visão, tremores, vertigens e fadiga.

O pesquisador Alexander Rauscher e seus colegas analisaram a frequência de exames cerebrais de ressonância magnética. Eles aplicaram o seu método a 20 pacientes com esclerose múltipla, que foram digitalizados, uma vez por mês, durante seis meses, usando tanto a RM convencional quanto o novo método baseado em frequência.

Uma vez que as cicatrizes na mielina, conhecidas como lesões, apareceram em exames de ressonância magnética convencional, Rauscher e seus colegas analisaram novamente imagens anteriores desses pacientes com base em frequência.

Olhando para as áreas precisas dessas lesões, eles encontraram mudanças de frequência, que indicam danos nos tecidos, pelo menos dois meses antes que qualquer sinal de dano aparecesse em exames convencionais.

“Esta técnica detecta diferenças sutis no desenvolvimento de lesões de MS ao longo do tempo. Como esta técnica é mais sensível a estas alterações, os investigadores podem utilizar estudos muito pequenos para determinar se um tratamento, como um novo medicamento, está diminuindo, ou mesmo parando, a decomposição da mielina”, conclui Rauscher.

Fonte: iSaude.net

%d blogueiros gostam disto: