jump to navigation

Triatleta de Piracicaba com esclerose múltipla perde 33 kg e mira Iron Man 30/04/2013

Posted by Esclerose Múltipla in Qualidade de vida, Utilidade pública.
trackback

Correr, nadar e pedaladar foram fundamentais para recuperação da doença.
‘Motivação e amigos no hospital fizeram o tempo passar rápido’, diz analista.

Atleta piracicabano perdeu 33 kg com o triathlon em Piracicaba (Foto: Arquivo pessoal)
Atleta piracicabano perdeu 33 kg com a prática
do triathlon em Piracicaba (Foto: Arquivo pessoal)

Quando começou a praticar triathlon para perder peso, o analista Felipe Pedroso Sgrigneiro, de 29 anos, não imaginava que seria surpreendido pelo diagnóstico de esclerose múltipla e que a partir dali sua vida mudaria. Apesar da doença, a meta do atleta de Piracicaba (SP) é participar do Iron Man em 2014, prova composta por 3,8 quilômetros de natação, 180 de ciclismo e 42 de corrida.

Praticante do esporte desde 2012, Sgrigneiro perdeu 33 quilos e ganhou em qualidade de vida, segundo o atleta. Mas no início de abril deste ano, teve uma crise de esclerose e deu entrada no hospital com o braço esquerdo imóvel e sem conseguir andar pela paralisação na coluna. “Havia notado sintomas da doença anos antes, porém nunca nenhum médico havia descoberto o problema”, disse o analista.

Animação no hospital
A motivação foi essencial para a superação do atleta. Ainda na ambulância, Sgrigneiro postava fotos nas redes sociais do que acontecia. Enquanto estava internado, as visitas dos amigos e da família e até a morfina, que seria tomada para amenizar a dor, eram retratadas pelo atleta com fotos tiradas pelo celular. O aniversário foi comemorado no hospital, com bolo e balões.

Para o atleta, ficar uma semana internado foi um ‘divisor de águas’. “Mudei meu modo de ver a vida, de tratar as pessoas. Se eu já era determinado, me tornei ainda mais”, afirmou Sgrigneiro.

Felipe Pedroso Sgrignero, de 29 anos, perdeu 33 kg quando começou a praticar triathlon (Foto: Leon Botão/G1)
Esporte será parte do tratamento
da esclerose (Foto: Leon Botão/G1)

“Eu pude escolher como seria meu período internado. Aquele era o meu caminho, eu tinha que passar por ali, então resolvi fazê-lo com alegria”, contou Sgrigneiro, que disse que tratou o hospital como um ‘spa’.

Início no esporte
Antes de começar a correr, pedalar e nadar, Sgrigneiro pesava 114 quilos e foi com muita força de vontade que perdeu 33 quilos. “No começo, todo mundo tirava sarro de mim por eu ser pesado daquele jeito e estar correndo, mas depois que comecei, não consegui mais parar”, contou o atleta, que completou a São Silvestre em 2012 mesmo com um dos pés lesionado. Ele chegou a pesar 81 quilos, mas hoje a balança marca 88 quilos devido ao período de internação hospitalar.

Doença + esporte
Sgrigneiro terá que conviver com a esclerose pelo resto da vida. Além da medicação diária, ele agora precisa evitar o sol, pois o calor excessivo ‘acorda’ as lesões da doença.

De acordo com o analista, a vida de atleta levada por ele foi o que amenizou os efeitos que a esclerose poderia ter deixado após a crise. O atleta afirmou que, segundo os médicos, o esporte agora é necessário para evitar mais problemas relacionados à doença.

Liberado pelo médico para voltar a treinar nesta segunda-feira (29), Sgrigneiro segue uma rotina disciplinada de alimentação e exercícios. Pedala às 6h e corre à noite, para evitar o sol, além de alternar os dois treinos com a natação.

Visitas e alegria ajudaram no tratamento do atleta no hospital, em Piracicaba (Foto: Arquivo pessoal)
Visitas e motivação ajudaram no tratamento do atleta no hospital, em Piracicaba (Foto: Arquivo pessoal)

Fonte: G1

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: