jump to navigation

Causas da Esclerose Múltipla 16/07/2012

Posted by Esclerose Múltipla in EM: o que é isso?, Espaço médico.
trackback

Ainda temos muito que aprender sobre o que desencadeia o desenvolvimento da esclerose múltipla. Até onde se sabe, a doença não é resultante de uma única causa, e aparentemente tanto seus genes como certos fatores ambientais contribuem para seu risco de desenvolver Esclerose Múltipla.1

Estudos em famílias mostraram que pais, irmãos e filhos de pessoas com esclerose múltipla têm maior probabilidade de apresentar a doença. Esta associação familiar nos diz que a estrutura genética leva algumas pessoas a serem mais susceptíveis à esclerose múltipla do que outras, porém não se pode dizer que um único gene constitua a causa da doença.1

Alguns fatores ambientais também parecem estar envolvidos. Um deles é um vírus comum chamado de vírus Epstein-Barr ou EBV.1,2 É importante lembrar-se de que a maioria das pessoas infectadas pelo EBV permanecem sadias. Entretanto, parece haver uma conexão, uma vez que mais de 99% das pessoas com esclerose múltipla foram infectadas com EBV em algum estágio, e o EBV tem sido encontrado em lesões da esclerose múltipla no sistema nervoso central.1,2

O hábito de fumar também pode ser um fator de risco para a esclerose múltipla. Um estudo recente mostrou que os fumantes tiveram um risco cerca de 50% maior de desenvolver esclerose múltipla do que pessoas que nunca fumaram.1 Estudos anteriores também mostraram que quanto mais você fuma, maior é o risco de desenvolver a doença.1

A região do mundo onde você mora também tem uma forte influência sobre a probabilidade de você desenvolver esclerose múltipla. Em termos gerais, quanto mais longe do equador (aumento da latitude) você morar, maior é o risco de desenvolver a doença.3  Recentemente, baixos níveis de vitamina D foram ligados ao desenvolvimento de esclerose múltipla, o que poderia explicar este efeito geográfico.1,2

1. Ramagopalan SV, Dobson R, Meier UC, Giovannoni G. Multiple sclerosis: risk factors, prodromes, and potential causal pathways. Lancet Neurol. 2010;9:727-739.
2. Bagert BA. Epstein-Barr virus in multiple sclerosis. Curr Neurol Neurosci.2009;9:405-410.
3. Compston A, Coles A. Multiple sclerosis. Lancet. 2008;372:1502-1517.

Fonte: EM:ação

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: