jump to navigation

‘Mal da Guerra do Golfo’ é reconhecido após 17 anos 18/11/2008

Posted by Esclerose Múltipla in Espaço médico.
trackback

Cerca de 175.000 veteranos americanos sofrem da chamada Síndrome da Guerra do Golfo, concluiu um relatório elaborado por especialistas e ex-militares por ordem do Congresso dos Estados Unidos. O documento, divulgado nesta segunda-feira, pode encerrar 17 anos de espera por parte dos ex-combatentes que ainda lutam após o fim do conflito – desta vez por um tratamento que os livre de uma série de problemas de saúde, desde câncer cerebral até esclerose múltipla.

De acordo com o relatório, um quarto dos soldados que integraram as tropas americanas na Guerra do Golfo (1990-1991) ainda sofre seqüelas do conflito, tais como dores de cabeça persistentes, dores generalizadas, dificuldades de memorização e de concentração, diarréia crônica e problemas respiratórios e digestivos, entre outros sintomas. Esses males seriam decorrentes da constante exposição a substâncias tóxicas, como pesticidas, e à ingestão de uma droga dada aos militares para protegê-los de armas químicas.

“As evidências científicas não deixam dúvidas de que o mal da Guerra do Golfo é uma condição real, com causas reais e sérias conseqüências para os veteranos afetados”, concluiu o Comitê de Pesquisa Consultiva da Guerra do Golfo, que analisa o caso desde 2002. O relatório afirmou ainda que os Estados Unidos já gastaram cerca de 440 milhões de dólares desde 1994 em pesquisas relacionadas aos efeitos do conflito na saúde dos veteranos. Para o comitê, no entanto, o assunto ainda necessita de pelo menos 60 milhões de dólares a mais por ano. “Essa é uma obrigação nacional, tornada especialmente urgente pelos tantos anos que os veteranos da Guerra do Golfo esperaram por respostas e assistência”, diz o texto.

Fonte: Revista Veja

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: