jump to navigation

Esclerose múltipla não é tão progressiva ou incapacitante como se imaginava 01/09/2008

Posted by Esclerose Múltipla in Espaço médico, Utilidade pública.
trackback

No mais abrangente estudo de como os sintomas da esclerose múltipla (MS, em inglês) mudam com o tempo, pesquisadores da Mayo Clinic descobriram que menos da metade dos pacientes estudados tiveram piora de incapacidade em 10 anos.

A compreensão de como os sintomas da esclerose múltipla mudam ao longo do tempo fornece boas novas para pacientes recém-diagnosticados com esclerose múltipla, que podem achar que a doença os conduz a um inevitável e uniforme declínio no funcionamento físico. Isso também oferece uma informação vital para planejadores de saúde pública encarregados de definir futuras necessidades dos pacientes com esclerose múltipla.

Em seu estudo, os pesquisadores da Mayo Clinic proveram evidências encorajadoras que, para muitos pacientes, a incapacidade decorrente da esclerose múltipla continua branda – então dos 99 pacientes que estavam caminhando sem ajuda quando examinados em 1991, 71 mantiveram a habilidade em 2001. E somente 20% dos pacientes que não precisavam de cadeira de roda em 1991, vieram a necessitar de uma, dez anos mais tarde.

“O fato que a maioria dos pacientes com esclerose múltipla não têm pioras progressivas após 10 anos é realmente uma grande novidade,” disse Moses Rodrigues, M.D, o neurologista que conduziu a equipe de pesquisa.

A sobrevivência foi levemente reduzida se comparada com a população total dos Estados Unidos, porém 30% dos pacientes evoluíram para um estado incapacitante. – tal como necessidade de bengala ou cadeira de roda – ao longo dos 10 anos de acompanhamento.

A descoberta que a maioria das escleroses múltiplas não sãotão progressivamente incapacitantes como se pensou um dia é contrária à percepção comum de que é uma doença marcada por um declínio constante na função motora.

A esclerose múltipla é uma doença do sistema nervoso central que afeta um número estimado de 200.000 americanos. Nem as causas nem a cura da esclerose múltipla são conhecidas. Ela é caracterizada por um padrão de surgimento e remissão de uma variedade de sintomas. Tais sintomas incluem dormência ou fraqueza em um ou mais membros, falta de coordenação e passo cambaliante e visão obscura ou problema com os movimentos dos olhos. Mal funcionamento das fibras nervosas produzem os sintomas da esclerose múltipla quando a proteção em volta dela é danificada. Pesquisadores suspeitam que os danos podem ser causados por um vírus ou por patógenos do meio ambiente. Ninguém sabe porquê, mas mulheres são levemente mais suscetíveis a desenvolverem esclerose múltipla que os homens, e populações dos estados ao norte têm maiores riscos que as do sul.

Fonte:  Neurology, 22/01/2004 (publicado por Emedix)

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: