jump to navigation

Desconfiança mostra abalo na ‘sagrada’ relação médico-paciente 03/08/2008

Posted by Esclerose Múltipla in Espaço médico, Qualidade de vida, Utilidade pública.
trackback
Pessoas parecem acreditar que seus médicos estão escondendo informações deles. Problema é sério pois atrapalha o tratamento e pode colocar vidas em risco.

Um crescente refrão de insatisfação sugere que a tão respeitada relação médico-paciente está cada vez mais fria.

A relação é pedra fundamental do sistema médico — ninguém pode ser ajudado se os médicos e pacientes não estão se entendendo. Entretanto, e cada vez mais, pesquisas e relatos informais indicam que muitos pacientes não confiam nos médicos.

Cerca de um em cada quatro pacientes sente que seu médico algumas vezes o expõe a riscos desnecessários, de acordo com dados de um estudo do hospital Johns Hopkins publicado neste ano no periódico Medicine. E dois estudos recentes mostram que a confiança nos médicos influencia fortemente o fato de o paciente tomar ou não os remédios prescritos.

Desconfiança e animosidade entre médicos e pacientes têm aparecido em diversos lugares. Hoje pode ser encontrado nas livrarias um gênero de livros do tipo “o que seu médico não diz a você”, prometendo informações retidas sobre tudo, desde perda de peso até doenças do coração.

A internet está forrada de comentários frustrados de pacientes. Recentemente, no blog do New York Times, um leitor chamado Tom fez eco às preocupações de muitos sobre médicos. “Eu, como paciente, digo que parem de agir como se soubessem tudo”, ele escreveu. “Admitam, e nós, os pacientes, poderemos parar de desconfiar de seus rápidos e convincentes diagnósticos.”

Os médicos dizem não estar surpresos. “Desde que comecei a praticar, não consigo deixar me surpreender pela infelicidade dos pacientes e, francamente, pela forma como são maltratados”, diz Sandeep Jauhar, diretor do programa de problemas do coração do Centro Médico Judeu de Long Island e colaborador ocasional da seção de ciência do The Times.

Ele se lembra de uma conversa na semana passada com um paciente que havia sido transferido para o seu hospital. “Eu disse, ‘Por que você está aqui?’ e ele respondeu: ‘Não faço idéia. Apenas me transferiram.”

“Ninguém está falando com os pacientes”, continuou Jauhar. “Todos estão apressados demais. Não acho que os médicos sejam pessoas más -– eles apenas trabalham em um sistema quebrado.”

As razões para toda essa frustração são complexas. Médicos, enfrentando o declínio dos reembolsos e o aumento dos custos, têm apenas alguns minutos para cada paciente. Notícias sobre erros médicos e a influência da indústria farmacêutica aumentaram a desconfiança dos pacientes. E o aumento da publicidade de remédios diretamente ao consumidor e dos web sites de medicina ensinaram os pacientes a pesquisar seus próprios problemas médicos e os tornaram mais céticos e inquisidores.

“Os médicos costumavam ser a única fonte de informação sobre problemas de saúde e sobre o que fazer, mas agora nosso conhecimento está desmistificado”, diz Robert Lamberts, um médico interno e blogger em Augusta, Georgia. “Quando os pacientes chegam com idéias pré-concebidas sobre o que devemos fazer, eles realmente ficam perturbados quando não damos ouvidos. Eu me esforço para explicar por que faço o que faço, mas algumas pessoas não se satisfazem até que façamos o que elas querem.”

Outros dizem que o problema também vem de um exaustivo sistema de ensino que remove os médicos do mundo onde vivem os pacientes.

“Quando acaba seu estudo, você sente, de muitas maneiras, que está muito longe das próprias pessoas que deveria ajudar”, diz Pauline Chen, cirurgiã da Universidade da Califórnia e autora de Final Exam: A Surgeon’s Reflections on Mortality (Knopf, 2007). “Nós nem mesmo falamos a mesma língua.”

David H. Newman, médico de pronto-socorro do Centro Hospitalar St. Luke’s-Roosevelt em Manhattan, diz existir uma desconexão entre o modo com que os médicos e pacientes enxergam a medicina. Médicos são treinados para diagnosticar e tratar doenças, diz ele, enquanto “os pacientes estão interessados em ser ouvidos e ficarem bem.”

Newman, autor do novo livro Hippocrates’ Shadow: Secrets from the House of Medicine (Scribner), diz que estudos sobre o efeito placebo sugerem que Hipócrates estava certo ao afirmar que a fé nos médicos pode ajudar a cura. “A falta de uma fonte confiável de tratamento agrega tristeza e sofrimento a qualquer condição”, diz Newman.

Mas esses médicos dizem que a situação ainda tem esperança. Pacientes que não acreditam em seus médicos deveriam procurar um novo, mas eles podem ser capazes de melhorar as relações existentes sendo mais abertos e comunicativos.

Vá a uma consulta com perguntas escritas para não se esquecer de perguntar o que é importante para você. Se um médico começa a apressar a consulta, diga, “Doutor, ainda tenho algumas perguntas.” Pacientes que são abertos com seus médicos sobre seus sentimentos e medos terão freqüentemente o mesmo nível de abertura como resposta.

“Todos nós, pacientes e médicos, no fim queremos a mesma coisa”, diz Chen. “Mas vemos um ao outro em lados opostos. Existe esse senso de que estamos nos enfrentando, e não trabalhando em conjunto. É uma tragédia.”

Fonte: G1

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: