jump to navigation

EM – Data desperta médicos e pacientes 30/08/2007

Posted by Esclerose Múltipla in Utilidade pública.
trackback

Hoje é o Dia Internacional da Conscientização da Esclerose Múltipla. Estima-se que 20 entre cem mil habitantes tenham a doença, embora a maioria não saiba. O problema é o desconhecimento médico e do paciente, que acaba buscando tratamentos isolados para os sintomas sem desconfiar de que são indícios de um estado patológico mais grave.
A esclerose múltipla é uma doença inflamatória progressiva que afeta diferentes áreas do cérebro. Normalmente ela aparece entre os 10 e 50 anos de idade, principalmente entre 20 e 30. A causas ainda não são estabelecidas pela medicina, mas podem estar entre elas os fatores ambientais, já que a incidência aumentou nos últimos 20 anos e hoje é cerca de quatro vezes maior.
A degeneração irreversível das células nervosas afeta várias partes do corpo até chegar a paralisias parciais ou completas. De acordo com neurologista Luiz Domingos Mendes Melges, membro das Academias Brasileira e Americana de Neurologia, muitos pacientes ao tratados como se tivessem outras doenças.
“Tenho um paciente que foi tratado durante 15 anos como se tivesse labirintite, já que a esclerose pode afetar a visão e causar instabilidade e tonturas”, observou. Outros sintomas podem levar o doente a procurar outras especialidades ao invés da neurologia. Entre eles estão perda da visão, visão dupla, tremores, adormecimento de pernas e braços, fraqueza ou fadiga, alterações na fala e na voz, dificuldade no controle urinário, ou perda do equilíbrio e paralisias.
“Paralisia ou perda de força estão relacionadas à área neurológica. Problemas ortopédicos não causam esses sintomas”, alerta Melges. Ele afirma que a doença pode ser controlada e estabilizada antes que deixe seqüelas mais graves, mas é preciso “que pacientes e, principalmente, os médicos pensem em esclerose. Suspeitem dessa doença e investiguem o mais rápido possível”.
A ressonância magnética associada ainda a outros exames identifica a doença. O tratamento impede que a degeneração continue, mas as células nervosas afetadas não se recuperam mais, deixando seqüelas. Os primeiros cinco anos da esclerose são os mais severos e rápidos.
O Brasil, segundo o médico, é um dos poucos países que oferece o tratamento pelo SUS (Sistema Único de Saúde). Os medicamentos injetáveis têm alto custo, chegando a R$ 5 mil por mês.
Capacitação
Para promover o conhecimento médico a respeito da esclerose múltipla, a Famema (Faculdade de Medicina de Marília) promove capacitações anuais sobre o tema. De acordo com Melges, a atividade é oferecida gratuitamente, mas mesmo assim a adesão costuma ser baixa. A próxima edição acontece em 3 de outubro.
Vacina
Uma vacina para proteger a população da doença está em estudo. As quatro primeiras fases já foram concluídas e a medicina tem esperança de que o produto funcione.
Hoje
Hoje durante todo o dia a equipe da Socineuro, Sociedade de Neurologia criada na Famema no ano passado, divulga a data em locais de maior circulação de pessoas. Os integrantes vão palestrar em ruas comerciais, terminal urbano e shoppings.

Fonte: Jornal da Manhã

%d blogueiros gostam disto: