jump to navigation

Albert Einstein usa pacientes-robô em centro de simulações 23/08/2007

Posted by Esclerose Múltipla in Espaço médico, Você sabia?.
trackback

São Paulo – Manequins computadorizados simulam diferentes tipos de pacientes e situações clínicas, respondendo inclusive a medicamentos reais.

dest_88.jpgO Hospital Albert Einstein inaugura no mês de agosto um centro de simulação em São Paulo, que utilizará robôs no lugar de pacientes para recriar situações cínicas em um ambiente interativo e treinar profissionais da área de saúde.

No lugar dos pacientes reais, robôs de alta tecnologia passam pelos procedimentos. O software por trás dos manequins computadorizados permite simular pacientes com diferentes características – homens, mulheres, magros, obesos, idosos, crianças e com condições específicas, como diabetes, hipertensão ou reação a medicamentos, entre outras.

> Veja as fotos do paciente-robô do Albert Einstein

O manequim simula movimentos respiratórios e sons cardíacos e é capaz de responder em tempo real aos estímulos externos em situações de parada cardiorespiratória, intubação, ventilação e inserção de cateteres. Ele também interage com o treinando, emitindo vozes e respondendo a estímulos verbais.

Além disso, alguns dos medicamentos administrados nos pacientes robóticos são reais, pois o sistema por trás do manequim é capaz de reconhecê-los.

“Se o médico administrar o medicamento errado, o paciente pode ter uma parada cardíaca. O objetivo é simular o caos”, conta Cristina Mizói, responsável pelo centro.

Estão disponíveis para as simulações cinco manequins computadorizados – um adulto e uma criança mais complexos e outros três modelos adultos mais simples. Além dos robôs, as simulações podem utilizar atores representando outros membros da equipe médica ou parentes das vítimas.

“Além dos procedimentos técnicos, também simulamos e avaliamos comportamentos”, destaca Cristina.

Resultado de um investimento de 2,5 milhões de dólares, o Centro de Simulação Realística Albert Einstein poderá de treinar 10 mil profissionais por ano, capacitando profissionais dos serviços públicos, universidades, além dos funcionários do próprio Einstein.
O centro de simulação é resultado de uma parceria com o Israel Center for Medical Simulation (MSR), criado pelo Dr. Amitai Ziv, ex-piloto militar que tornou-se médico pediatra e decidiu aplicar à área os conceitos de simulação, redução de risco e segurança da aviação.

Com 450 m2 de área, o centro permite recriar diversos cenários médicos – como centro cirúrgico, centro de terapia intensiva, primeiro-atendimento e consultório – dentro de um ambiente controlado.

Além dos robôs simuladores, o centro traz uma ampla estrutura tecnológica, incluindo sistema de captação digital de áudio e vídeo de alta qualidade para monitorar as simulações.

Fonte: IDG Now!

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: