jump to navigation

Respeite suas próprias vontades 10/08/2007

Posted by Esclerose Múltipla in Qualidade de vida.
trackback

POR DR. JOU ELL JIA*
CAMILA PREFERE AZUL, mas a mãe sempre lhe disse que ficava bem de vermelho, então seu armário é composto basicamente por roupas nesse tom. Camila sempre quis morar bem no alto, perto das estrelas, em um quarto com clarabóia. Mora na casa que o marido escolheu. Camila seria veterinária, tão lindo cuidar dos animais, se o pai não tivesse certeza absoluta de que ela seria uma contadora excelente, com a vantagem de conseguir um emprego no banco. Camila gosta de dirigir pela estrada que vai pelo mar, mas os filhos precisam chegar logo à casa de praia, melhor ir pelo outro caminho, certo? Camila se considera uma boa pessoa. Mas será que ela é boa para si mesma?

A história pode parecer um pouco exagerada demais, mas – acredite – é verdade absoluta. Camila existe. Tem outro nome e um rosto que você não imagina, mas suas atitudes são exatamente as descritas acima. Porque ela, assim como nós, em muitas situações, acredita que o desejo alheio possui uma força com a qual não consegue lidar. O mais fácil, portanto, é se render, fazer o que todo mundo quer e calar a própria vontade.

Você acha que não faz isso? Será? E quando se contenta em jantar em casa no aniversário de namoro só porque o parceiro pediu? E quando começa a acreditar que tudo bem não ter cerimônia de casamento, sendo que desde sempre sonhou em usar o mesmo vestido da sua avó? A falta de respeito com nós mesmos é mais comum do que conseguimos admitir. E, pior, ela é muito aceita por todos, claro. É como uma coreografia que somos obrigados a repetir à exaustão.

Para quê? Por quem? Precisamos tomar as rédeas de nossas próprias vidas e isso só acontece a partir do momento em que aprendemos a respeitar nossas vontades, nossos sonhos e até o que não queremos. É isso que nos dá a real dimensão de quem somos, para nós e para os outros. O que significa que cultivar o auto-respeito é, na verdade, um exercício de expansão de nossa alma, pois à medida em que aprendemos que merecemos tanta consideração, admiração e envolvimento quanto qualquer outro ser, passa a haver crescimento real.

Claro que não estou dizendo que o certo é impor sua vontade a qualquer custo, exigir que tudo seja feito como você imagina e se tornar uma dessas insuportáveis pessoas que não sabem ser felizes enquanto o mundo à sua volta não estiver nos tons imaginados. Mas um pouco de auto-respeito não faz mal a ninguém. E ainda dá a chance de, quem sabe, mudarmos a coreografia para o que nosso coração quer ver. Pronta?

EXERCÍCIO
Diga a si mesma Auto-respeito é entender quem eu sou.
– diário noturno Faça uma lista de todas as coisas que só você gosta e quer fazer. Tente realizar pelo menos uma por semana.
– pratique Pergunte a uma pessoa muito próxima o que ela não faz há muito tempo porque ninguém mais quer acompanhá-la.

*médico de formação clássica e professor de medicina tradicional chinesa.

Fonte: Revista Estilo Natural – Agosto de 2007

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: