jump to navigation

Sem medicamentos, portadores de esclerose vão à Justiça 06/08/2007

Posted by Esclerose Múltipla in Utilidade pública.
trackback

Sexta-feira, 03 de Agosto de 2007
Campo Grande News

Há cerca de 30 dias sem o medicamento Rebif, usado para controle da esclerose múltipla, os portadores desta doença ingressaram na Justiça para garantir a continuidade do fornecimento pelo governo do Estado. A ação foi ingressada na última sexta-feira pelo advogado Marco Aurélio Barbosa Siufi, que representa a Associação dos Portadores de Esclerose Múltipla de Mato Grosso do Sul.

O drama se assemelha ao vivido pelos renais crônicos que receberam transplante de rim e precisam ingerir medicamentos para evitar rejeição. Neste caso, o governo alegou que o fornecedor de medicamentos teria atrasado a entrega. Segundo Siufi, a informação dada pelo governo, no caso do Rebif, é que teria ocorrido um erro no processo licitatório, que prejudicou a compra do medicamento.

Segundo ele, mais de 200 pessoas recebem o medicamento para tratamento de esclerose múltipla no Estado. O remédio, de uso contínuo, tem custo elevado. Os gastos estimados, se o tratamento for feito de forma particular, são de R$ 4 mil mensais. O medicamento é disponibilizado na Casa da Saúde e distribuído através da Associação. Siufi espera que até hoje haja uma decisão liminar em favor dos doentes.

Governo culpa fornecedor por falta de medicamentos
Campo Grande News

O governo do Estado informou esta manhã que a falta de Rebif, usado para controle da esclerose múltipla se deve ao mesmo motivo pelo qual os remédios para renais crônicos também estão em falta: atraso do fornecedor. Não há previsão de chegada de ambos. Os medicamentos são de uso contínuo e fundamentais para tratamento de pessoas doentes. No caso dos renais crônicos o Cellcept e a Ciclosporina são usados para evitar rejeição após o transplante de rim. Já o Rebif controla as crises dos portadores de esclerose múltipla. Ambos são remédios de alto custo. Devido à falta do Rebif a Associação dos Portadores de Esclerose Múltipla de Mato Grosso do Sul entrou na Justiça contra o Estado.

Laboratório diz que governo não encomendou remédio
Campo Grande News

O laboratório Merck Serono, responsável pelo medicamento Rebif®, para tratamento de esclerose múltipla, informou à reportagem do Campo Grande News que não recebeu pedido da Secretaria Estadual de Saúde para o fornecimento da medicação. Sem obter o remédio, a associação que representa portadores da doença, foi à Justiça contra o governo.

Hoje cedo, a secretaria, via assessoria do governo, informou que o problema teria sido causado por culpa do fornecedor. O laboratório informa que é fornecedor do governo há vários anos e que no caso do Rebif® houve pregão em 23 de julho mas não foi encaminhado pedido para envio de lotes do remédio. Falta homologação do pregão, diz a empresa, via assessoria de imprensa.

Conforme a Merck Serono, emitida a nota de empenho, o medicamento chega em 48 horas úteis.

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: