jump to navigation

Esclerose Múltipla e Atividades Físicas 13/06/2007

Posted by Esclerose Múltipla in Espaço médico, Qualidade de vida.
trackback

Introdução

A atividade física é uma forma de promover a saúde física e mental, desde que seja bem orientada e adaptada às nossas necessidades.

A Esclerose Múltipla é uma doença desmielinizante que afeta adultos jovens e que pode ocorrer sob forma de surtos, onde, neste período, os sintomas poderão estar exacerbados. Os sintomas mais comuns são fraqueza, espasticidade, parestesia, dor, comprometimento de coordenação e equilíbrio, fadiga, disfunção vesical, alteração sexual e alteração visual.

A fadiga é um dos sintomas mais comuns e difícil de ser tratada; 75 a 95% dos pacientes relatam sensação de cansaço físico ou mental profundo, perda de energia ou sensação de exaustão.

É de fundamental importância que os pacientes mantenham uma atividade física habitual devendo-se acrescentar exercícios físicos no lazer ou através de práticas esportivas.

Deve-se valorizar as manifestações clínicas presentes e, mais importante, com adaptação específica e adquirida através de técnicas para a realização da atividade física com o intuito de reabilitação, e conservação de energia, prevenindo-se uma exacerbação dos sintomas e fadiga.

Esclerose Múltipla e Reabilitação

Tratando-se de uma doença que potencialmente afeta várias funções neurológicas, a reabilitação para pacientes com Esclerose Múltipla, geralmente, é feita através de uma equipe multidisciplinar, constituída por: médico, fisioterapeuta (motora e respiratória), fonoaudiólogo, terapeuta ocupacional, psicólogo,nutricionista, educador físico e assistente social.

O fisioterapeuta e sua participação como parte da equipe,tem como seus objetivos: manter ou aumentar as atividades funcionais, promover melhora na qualidade de vida; orientar e prevenir posturas viciosas e a utilização de órteses; estimular atividades físicas adaptadas e adaptações para facilitar as atividades de vida prática (cozinhar, lavar louça, dirigir, etc).

Os recursos utilizados na fisioterapia para pacientes com Esclerose Múltipla são: Cinesioterapia, Eletroterapia, Crioterapia, Massoterapia e Hidroterapia.

A Cinesioterapia é uma forma de terapia através de exercícios, onde são conhecidos vários métodos (Bobath, Kabat, etc).

A Eletroterapia seria a utilização de equipamentos eletroterápicos (TENS e Ultra-som).

A Massoterapia é a utilização da massagem, com várias técnicas (Shiatsu, Do-in, Ayurvédica e Clássica).

A Hidroterapia é um recurso onde utiliza-se a água, seja ela na sua forma líquida (piscina, compressas e ingestão), como sua forma sólida, a Crioterapia (gelo).

A escolha da técnica deverá ser sempre discutida com o paciente, valorizando-se as manifestações clínicas, tais como:

Fadiga: Fisioterapia e Hidroterapia. Os exercícios de relaxamento e alongamentos são mais indicados, sendo que a hidroterapia poderá trazer maiores benefícios;

Fraqueza: Fisioterapia e Hidroterapia. Os exercícios de fortalecimento deverão ser realizados com cuidado para que o paciente não fatigue. A hidroterapia é uma indicação para pacientes com muita fadiga;

Parestesia e Dor: Massagem,Eletroterapia, Crioterapia e Hidroterapia. Dependendo da intensidade da dor, os recursos que venham promover uma analgesia mais rápida, como a crioterapia e ou a aplicação do T.E.N.S, seriam mais indicados para atuar como método auxiliar na fisioterapia. A massagem seria de total importância para analgesia, relaxamento e estimulação proprioceptiva (percepção do músculo e do movimento). A hidroterapia já atua com objetivo de analgesia e relaxamento;

Ataxia (movimentos involuntários): Fisioterapia,Hidroterapia e Esporte Adaptado. A fisioterapia e a hidroterapia atuam no controle do movimento, equilíbrio, coordenação e treino de marcha e, se necessário, a utilização de bengala ou andador, dependendo da dificuldade do paciente. O esporte adaptado atua com o controle de movimento, concentração e ritmo;

Espasticidade: Fisioterapia e Hidroterapia. O aumento de tônus muscular deverá ser adequado com relaxamento, controle do movimento com poucas repetições de exercícios e sem resistência ou carga e alongamentos; tanto na fisioterapia como na hidroterapia.

Esclerose Múltipla e Temperatura

Dentre os fatores desencadeadores de surto desmielinizante, relaciona-se exposição a alta temperatura. São freqüentes relatos de aparecimento de sintomas neurológicos deficitários durante banhos quentes.

Hidroterapia e Esclerose Múltipla

A Hidroterapia é um dos recursos da fisioterapia muito utilizado em pacientes neurológicos, a qual atua com os princípios físicos e hidrodinâmicos da água, a fim de facilitar, relaxar e aliviar sintomas como dor, espasticidade e espasmos, paralisias e parestesias, incoordenação e distúrbio de equilíbrio.

A piscina poderá ser adaptada ou não, mas recomenda-se que tenha: piso anti-derrapante, borda revestida de borracha, profundidade em nível proporcional ao tamanho do paciente e temperatura entre 28° e 31° C.

Os métodos utilizados deverão ser bem selecionados e, se necessário, poderão ser adaptados dependendo das dificuldades do paciente. Os mais utilizados são os relaxamentos aquáticos. O tempo de cada sessão dependerá a programação e da temperatura da água, mas não deverá ultrapassar de 1 hora/sessão.

A terapia deverá ser conduzida por profissionais habilitados para as técnicas aquáticas, seguida de avaliações clínicas e fisioterapêuticas constantes e respeitando as queixas de fadiga e dor do paciente. Dentre as condições que contra-indicam a realização de hidroterapia destacam-se: infecção urinária, infecção dermatológica, incontinência urinária e ou fecal, paciente em surto ou pós-surto de desmielinização no sistema nervoso central.

Benefícios da Hidroterapia

• A água favorece liberdade de movimento, alívio de dor e de peso, devido à flutuação.

• A turbulência da água aumenta a percepção sensorial, favorecendo o equilíbrio, a coordenação e a marcha.

• A pressão hidrostática favorece o retorno venoso, melhorando a circulação e também mantendo a capacidade respiratória.

• A resistência da água ajuda no controle de movimentos involuntários.

• O calor da água alivia a dor e favorece o relaxamento.

• Os efeitos psicológicos que a água proporciona são: melhora da auto-estima, motivação, criatividade, imagem corporal e integração social.

Relaxamento Aquático

Dentre as técnicas aplicadas, destacam-se:

Watsu: é o Shiatsu adaptado à água, onde o paciente é levado a um relaxamento com alongamentos e movimentos suaves no colo do terapeuta, com temperatura da água de aproximadamente 36° C. Para pacientes com Esclerose Múltipla, a terapia deverá estar com temperatura de no máximo 32° C e com tempo de sessão diminuído.

Ai – Chi: é a combinação de Tai-Chi e do Qigong. O Ai-Chi trabalha o alongamento e relaxamento progressivo do corpo, integrando mente, corpo e a energia espiritual. Indicado para melhora da coordenação, equilíbrio e postura. Pode ser aplicado em grupos ou individualmente. A temperatura da água deverá estar por volta de 30° C e deverão ser utilizados os movimentos mais básicos no início, para poder evoluir lentamente e com cuidado em relação à fadiga.

Outras atividades físicas indicadas e seus cuidados

Natação: A natação é indicada para todos os pacientes, mas deverá ser orientada por um profissional que conheça os principais sintomas e dificuldades de seu aluno, e que este profissional saiba adaptar a aula, se necessário. A temperatura da piscina não deverá ultrapassar os 28° C. O tempo poderá ser determinado pelo professor dependendo da fadiga do aluno. A competição deverá ser indicada para pacientes que não tenham fadiga.

Hidroginástica: A hidroginástica deverá ser de baixo impacto e com intervalos de descanso entre um exercício e outro, acompanhada por um profissional que tenha orientação de um fisioterapeuta. A indicação é para pacientes que tenham coordenação e equilíbrio. A temperatura da piscina não deverá ultrapassar os 30° C. O tempo poderá ser de até 45 minutos, com relaxamentos no final da aula.

Caminhadas: A caminhada deverá ser indicada para pacientes que não tenham perda de equilíbrio e sempre ser orientada e reavaliada por um fisioterapeuta. O tempo deverá ser controlado com as necessidades e dificuldades do paciente. Não utilizar horários de altas temperaturas.

Aulas de Alongamentos e Ioga: Os alongamentos deverão ser realizados no limite de cada paciente. As posturas que levem à fadiga deverão ser evitadas. Recomenda-se uma interação entre professor, paciente e fisioterapeuta para que os benefícios do exercício tenham a sua plenitude, sem risco de causar alguma lesão.

Dança: A dança é uma maneira de expressar os sentimentos e movimentos através da música, dando oportunidade do indivíduo de se auto-conhecer. A indicação poderá ser feita para qualquer paciente, desde que bem orientada e acompanhada. Para pacientes que tenham dificuldade de equilíbrio e coordenação ou já não apresentem marcha, a indicação seria a dança adaptada com profissionais especializados.

Bocha: A bocha é um jogo que tem como objetivo aproximar o maior número de bolas próximo da bola mestra (bola principal). Ganha quem tiver o maior número de bolas próximo à bola principal. Qualquer paciente poderá jogar bocha; tanto a convencional (pacientes que não tiverem perda de equilíbrio e coordenação), quanto a adaptada (pacientes com dificuldade de equilíbrio, coordenação e marcha), através de canaletas adaptadas e, as vezes, com auxílio de cuidador.

Atividades que deveriam ser evitadas

Musculação: Atividades com pesos levam à fadiga mais rapidamente, piorando ou levando à fadiga os pacientes que não tenham o sintoma.

Corrida: A corrida poderá levar à fadiga, mas se o paciente não tiver o sintoma nem perda de equilíbrio, este, então, deverá ser sempre acompanhado e orientado por um fisioterapeuta.

Aulas de Alto Impacto fora da água ou dentro da água: Deverão ser evitadas pela fadiga e elevação da temperatura corporal, também para prevenir desequilíbrios bruscos.

Imersão em piscina ou tanques com água com temperatura acima de 32° C.

Conclusão

Os pacientes com Esclerose Múltipla, independente das manifestações clínicas ou da gravidade, deverão manter uma atividade física habitual. Sempre é possível adaptar uma atividade de lazer ou esportiva com potencialidade de melhorar a sua qualidade de vida.

“Se você não movimenta os braços você movimenta as pernas, se você não movimenta os braços e as pernas, você movimenta os olhos e com os olhos é possível dançar.” (Katia de Souza)

Material elaborado pela equipe de Fisioterapeutas e Médicos do Setor de Doenças Neuromusculares UNIFESP-EPM

Glossário

Cinesioterapia: Terapia ou tratamento através do movimento e engloba recursos e técnicas variadas, incluindo a mobilização ativa e passiva, alongamento, exercícios respiratórios, exercícios para fortalecimento muscular, reeducação da postura, coordenação motora, equilíbrio, dentre outros.

Eletroterapia: Tratamento através de correntes elétricas e diatermia (forma de tratamento que vem das correntes elétricas utilizando calor e frio).

Ultra-som: Ondas ultrassônicas produzem agitação molecular (tratamento de inflamações).

TENS: Corrente elétrica de baixa freqüência, analgésico.

Crioterapia: Terapia utilizando o frio (gelo).

Massoterapia: É indicado para a prevenção de lesões e patologias, mas normalmente utilizada como recurso de emergência, por ser uma técnica que propicia alívio imediato de dores e desgastes físicos. É aplicada com o objetivo de equilibrar eficazmente o organismo, promovendo aumento de fluxo sangüíneo da região afetada, trabalhando a mobilidade nas articulações e estimulando o Sistema Nervoso Periférico. Sessões duram em média 60 minutos.

Espasticidade: Enrijecimento da musculatura seguida ou não de dor.

Parestesia: Sensação de formigamento ou de adormecimento.

Pressão hidrostática: É a pressão exercida pela água sobre a pele.

Shiatsu: Terapia por toques dos dedos e alongamento proporcionando relaxamento e conseqüentemente, a redução da dor e da espasticidade.

Tai-Chi: Série de movimentos coordenados com o objetivo de integrar corpo, espaço físico e mente para melhor integração do indivíduo.

Qigong: Variante do Tai-Chi, objetivando aprimorar o relaxamento.

Ai-Chi: Variante do Tai-Chi, objetivando aprimorar o relaxamento.

Fonte: AquaBrasil

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: