jump to navigation

Cientistas desenvolvem técnica para produzir células-tronco a partir da pele 07/06/2007

Posted by Esclerose Múltipla in Espaço médico.
trackback

Em descoberta que promete redirecionar o debate sobre ética no uso de células-tronco, pesquisadores se aproximaram de um dos maiores objetivos da medicina regenerativa: o uso de células de pacientes para reconstruir áreas danificadas de tecidos com funções específicas. De acordo com reportagem do jornal americano “New York Times”, foi desenvolvida uma técnica simples para reprogramar uma célula da pele de um rato, que assim volta ao estado embrionário. Se puder ser adaptado às células humanas, o procedimento – desenvolvido pela cientista Shinya Yamanaka, da Universidade de Kyoto – permitirá que cientistas usem a pele dos pacientes para produzir novas células do coração, do fígado ou do rim, que poderiam ser transplantadas sem serem rejeitadas pelo sistema imunológico.

A aplicação da nova técnica não envolve o controverso e dispendioso uso de embriões humanos, livrando-se de pelo menos parte dos questionamentos éticos que rodeiam o assunto. O procedimento também é mais simples do que a transferência nuclear, até então a única maneira conhecida pelos cientistas para obter estas células. Nesse processo, o núcleo da célula é isolado e transferido para outra célula da qual o núcleo tenha sido previamente retirado. Assim, o núcleo é reprogramado para o estado embrionário, podendo ser usado para corrigir doenças.

– Do ponto de vista do avanço para a biomedicina e a medicina regenerativa, essa descoberta é tão grande quanto você possa imaginar – disse Iarving Weissman, especialista em células-tronco da Universidade de Stanford.

Outros dois estudos publicados nesta quarta-feira também apresentaram formas para fazer as células “regredirem” ao estado embrionário. Uma quarta pesquisa mostrou uma forma de usar embriões anormais, descartados por clínicas de reprodução assistida, para produzir células-tronco embrionárias. Mas cientistas ainda tentam identificar o processo pelo qual o núcleo da célula é reprogramado. Pesquisas indicam que alguns genes ativos nas células embrionárias mantêm a capacidade de se tranformar em diferentes tecidos.
Bispos americanos nova técnica

As descobertas parecem ter sido bem recebida por muitos dos que se opõem ao uso das pesquisas com embriões humanos. Entre eles está o porta-voz para o assunto da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos.

– (A nova técnica) não levanta questões morais sérias, porque cria células-tronco como as embrionárias sem criar prejuízos ou destruir vidas humanas em qualquer estágio – disse.

O especialista em ética da universidade Dartmouth College Ronald Green disse que será “muito difícil para as pessoas dizerem que o que está sendo criado agora é uma forma inicial da vida humana que deve ser protegida”. Para ele, se adaptada às células humanas, a nova técnica “será uma forma de pôr fim a este debate”.

A polêmica em torno do uso das células embrionárias levou o presidente americano, George W. Bush, a limitar o uso de recursos federais nas pesquisas. No Brasil, o assunto motiva uma ação no Supremo Tribunal Federal, movida pelo Ministério Público. O processo levou cientistas a se reúnirem para combater o que chamaram de um enxurrada de informações falsas sobre as pesquisas.

Fonte: O Globo Online

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: