jump to navigation

Livre do cigarro 23/05/2007

Posted by Esclerose Múltipla in Qualidade de vida.
trackback

Livre do cigarro

“Comecei a fumar por volta dos 22 anos, numa brincadeira de mesa de bar, com uma turma de amigos. Acabei gostando e aquilo virou hábito. Assim fui levando. Em maio do ano passado a minha mãe faleceu. Isso me deixou muito revoltada. Eu fiquei zangada com Deus, com a minha mãe e principalmente comigo. Não tinha mais prazer em viver e via no cigarro uma forma de morrer mais rápido, de me maltratar. Chegava a fumar dois maços por dia e assim foi por mais ou menos três meses. Quando eu parei e olhei para mim, estava com dores nas costas, sem disposição, sempre com aquela nuvem de fumaça me acompanhando. Foi aí que decidi parar. Lembrava muito da minha mãe e do quanto ela reclamava quando me via fumando. Ela trabalhava na UTI de pneumologia de um hospital, então via casos horríveis nos quais o grande vilão era o cigarro. No dia seguinte a essa minha reflexão, não fumei. E desde então já se foram oito meses sem um trago sequer. Na primeira semana sentia um certo vazio, mas era mais pelo hábito, afinal, foram cerca de dez anos como fumante. De qualquer modo, não foi nada absurdo, nada que eu não pudesse vencer com um pouco de determinação. Sentia uma certa irritabilidade, um pouco de agitação. Parecia que o cigarro me acalmava, mas foi só uma questão de me adaptar a uma nova rotina sem ele. Desde que parei, me sinto bem melhor, mais disposta e saudável. Eu não gostava do cheiro que permanecia nas minhas roupas e até o meu paladar ficou diferente, mais sensível.

com determinação, Luciane deixou para trás o vício de 11 anos e ganhou muito mais saúde

Acredito que tudo o que causa dependência é ruim. Temos que ser livres e os vícios nos tiram dessa condição. Toda vez que sinto vontade de fumar, penso na minha mãe. O meu amor por ela foi meu maior apoio nessa mudança de estilo de vida. Este sentimento me manteve firme e focada no meu objetivo. Acredito que persistir vale muito à pena quando sentimos que aquilo que se busca será o melhor para nós!”

LUCIANE FERNANDES, 34 ANOS,
DIAGRAMADORA

Fonte: Revista Estilo Natural, maio de 2007

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: