jump to navigation

Algo me diz que… 12/05/2007

Posted by Esclerose Múltipla in Qualidade de vida.
trackback

A intuição muitas vezes nos alerta sobre perigos e mostra o melhor caminho a seguir. Autoconhecimento e relaxamento são as chaves para encontrá-la, confira

SENSAÇÕES E SENTIMENTOS chegavam à mente da fonoaudióloga Luciana Passos sem muita explicação. Medo, alegria e ansiedade. Tudo era trazido por uma voz interior que dizia: é melhor não fazer isso… E que muitas vezes estava certa. Ela tinha sete anos quando passou a experimentar essas situações. “Sempre fui muito sensível e costumava sentir quando algo ia dar certo ou errado”, conta. Hoje, aos 29 anos, considera que está ainda mais afinada com sua intuição.

Segundo Luciana, foi a partir de um pensamento intuitivo que ela passou a entender e a refletir mais sobre a importância de ouvir sua voz interior. Na ocasião, tinha um namorado que, desde o início da relação, sentia não ser o parceiro ideal. Mesmo assim, resolveu investir no namoro sem dar valor ao pressentimento. Depois de dois anos, a situação era de sofrimento e desilusão. “Fui teimosa. Percebia que o namoro não ia dar certo, mas quis pagar para ver. Tinha medo da intuição ser apenas uma confusão da minha cabeça”, diz.

Com o auxílio da psicoterapia, Luciana passou a entender melhor sua intuição e hoje acredita que ela seja uma espécie de conexão com o infinito, um exercício de sintonia com seu interior. “Os pressentimentos podem ser bons ou ruins, por isso, é fundamental analisar as conseqüências antes de traçar um caminho. Se eu vejo que vai me fazer feliz, sigo em frente”, completa.

De acordo com a psicóloga e psicoterapeuta Luiza Ricotta, de São Paulo, a intuição é um processo subjetivo que costuma revelar nossas necessidades mais íntimas. Ser intuitivo é ver a realidade inteira, e não fragmentada. Para isso, explica Luiza, a pessoa tem de desenvolver seu lado emocional e o intelectual, e estar alinhada com os valores da vida: a bondade, a compreensão e a generosidade.

um pouco de história

Derivada da palavra latina intueri, intuição significa ver interiormente. O conceito é tão antigo quanto a história da civilização. O homem primitivo sempre usou sua voz interior para tomar decisões. Diversos pensadores, filósofos e cientistas estudaram e refletiram sobre essa capacidade, como Pitágoras, Platão, Aristóteles, Arthur Schopenhauer, Immanuel Kant e até Albert Einstein. O pensador holandês do século 17 Baruch Spinoza classifica-a como o terceiro gênero de conhecimento do ser humano, depois da experiência e da razão. Segundo o psicólogo Jadir Lessa, do Rio de Janeiro, essa capacidade, na visão de Spinoza, não é cega, irracional ou fruto de uma experiência sobrenatural. Mas sim um nível de conhecimento mais elevado que o homem pode alcançar, porque permite a comunhão com Deus. “Esta seria a forma mais elevada de conhecer a si mesmo e de estar em sintonia com o mundo”, afirma Lessa.

voz do coração

A intuição vem do coração, e isso não é uma metáfora. Pesquisadores do Institute of Heart Math, dos Estados Unidos, indicaram, por meio de experimentos, que ela é a inteligência do peito. Respostas intuitivas só podem ser geradas quando estão em sintonia com o cardíaco. O médico neurologista, escritor e conferencista Martin Portner, de Porto Alegre, colocou isso em prática durante um workshop sobre poder intuitivo. “Uma das primeiras coisas que procuro demonstrar é como devemos nos conectar ao coração para sermos intuitivos. Todos os participantes tiveram seu eletrocardiograma registrado e analisado”, conta. De acordo com o neurologista, do ponto de vista mental, intuição significa integração entre o lado emocional e o racional, que estão localizados nos hemisférios direito e esquerdo do cérebro, respectivamente. “Intuição é um estilo de vida. Quem vive bem, de coração aberto e com a mente em sintonia, vai tê-la sempre a seu lado”, diz.

Intuição e espiritualidade

É comum existir a confusão de que a intuição esteja relacionada com a espiritualidade. Porém, nem sempre é assim. Uma pessoa religiosa pode não ser intuitiva e vice-versa. A relação existe porque essa faculdade se desenvolve com mais facilidade em indivíduos sensíveis e, no geral, eles são mais espiritualizados do que aqueles racionais e lógicos. Segundo Portner, quem desenvolve a espiritualidade tende a ser uma pessoa intuitiva. “A intuição não convive com a angústia, a ambivalência ou a ignorância”, explica.

“A intuição não convive com a angústia, a ambivalência ou a ignorância”

MARTIN PORTNER

 Lado feminino

Quem nunca ouviu a expressão intuição feminina ou sexto sentido feminino? Símbolos de sensibilidade e emoção, as mulheres são consideradas mais intuitivas do que os homens. No livro O que é intuição e como aplicá-la na vida diária, ed. Cultrix, o psicólogo Philip Goldberg explica que os estudos sobre o assunto ainda são contraditórios. Algumas pesquisas afirmam que determinadas mulheres são mais intuitivas do que outras. Assim, os testes comportamentais não indicam nenhuma predominância da intuição feminina sobre a masculina. Além disso, explica o autor, as mulheres são incentivadas a ter um comportamento mais sensível e emocional. Já os homens são treinados para serem mais racionais, lógicos e objetivos. “É muito difícil medir a intuição. Talvez os homens e as mulheres sejam igualmente intuitivos, mas fatores culturais nos levem a pensar diferente”, considera.

Desenvolva seu sexto sentido

Nem todas as pessoas têm intuição, mas, qualquer indivíduo pode desenvolvê-la. Ela não surge do nada, da noite para o dia. É necessário um preparo mental e emocional. Uma das principais formas de se tornar mais sensível é olhar para o seu interior, se conhecer melhor e deixar os pensamentos livres, sem regras e preocupações. O famoso músico erudito Wolfgang Amadeus Mozart escreveu, em uma carta, que quando era completamente ele mesmo e estava inteiramente só, durante as caminhadas ou à noite, suas idéias fluíam melhor e com mais abundância. Segundo Goldberg, a frustração no trabalho e os problemas diários levam à ansiedade, e esse tipo de sensação afasta a intuição. “Estudos mostram que o desempenho de alguém ansioso é muito baixo. O ideal é estar descontraído”, orienta.

Se você pratica ioga, saiba que já está num bom caminho para desenvolver sua intuição. As posturas da prática ajudam a diminuir a tensão e a acalmar a mente. “Quando executadas corretamente, elas aumentam a vigilância mental”, explica Goldberg. Além disso, exercícios de respiração e controle dos músculos que levam ao relaxamento também são apropriados.

exercício: viagem mental

Esta viagem deve ser feita com instruções do tipo passo-a – passo dadas por outra pessoa. Assim, você pode se deixar levar pelas imagens mentais sem ter que pensar no que vem a seguir. Uma música suave é bem-vinda.

1) sente-se ou deite-se em uma posição confortável, com os olhos fechados. Respire fundo e relaxe completamente.

2) imagine-se saindo de onde estiver e iniciando uma viagem. Você terá de decidir antecipadamente de que modo irá viajar – voando (numa aeronave ou por si mesmo), a pé, de barco ou em qualquer espécie de veículo – e o trajeto : deserto, florestas, montanhas. Evoque a sensação de estar realmente se deslocando no espaço e repare em detalhes como o vento em seu rosto, o cheiro do ar e a paisagem à sua volta. Essa deve ser uma viagem agradável, e não uma penosa aventura.

3) chegue ao destino que você havia escolhido antecipadamente – um oásis, uma clareira, o topo de uma montanha, uma ilha, um planeta. Precisa ser um lugar com um significado especial para você.

4) vá até alguma espécie de santuário – uma cabana, uma caverna, uma capela ou algo fantástico e sem igual. O local é apenas seu e tem um significado sagrado para você. Deve ser um santuário que realmente goste de ter, um lugar para onde ir sempre que precisar de orientação.

5) dentro do santuário há uma fonte de sabedoria. Ela também deve ter uma importância especial para você: uma voz do além, um símbolo, um altar, uma máquina ou aparelho, uma pessoa. Esta fonte é realmente parte do seu ser; você pode confiar e ser completamente honesto com ela.

6) faça a sua pergunta à fonte ou exponha seu problema. Deixe que ela responda. Não force nem imponha nada. Simplesmente observe o que acontece. Quando alguma coisa for evocada – e isso pode ser algo mundano, absurdo, nebuloso, ambíguo ou, até mesmo, uma ausência de resposta – aceite-a sem análise ou julgamento.

7) deixe o seu local sagrado com um sentimento de gratidão e retorne lentamente ao ponto de partida, refazendo o mesmo caminho.

Fonte: O que é intuição e como aplicá-la na vida diária, Philip Goldberg, ed. Cultrix.

Dicas para desenvolver a intuição

Aproveite para respirar melhor nos momentos de descanso. Isso significa ter expirações mais prolongadas que as inspirações;

Relaxe a face. O melhor relaxamento da musculatura facial é quando você sorri levemente. Como vou sorrir se não estou sentindo vontade? Esse é o segredo: é preciso voltar-se para dentro de si;

Persiga ativamente um sentimento positivo. Preste atenção, sentimento positivo não é pensamento positivo. Pensamentos nem sempre são bem-vindos. Sinta o seu coração na região do peito, como se estivesse sussurrando algo para dentro dele. Imagine-o como seu bom e grande aliado. O ar que você acabou de inspirar circula no seu coração e você será capaz de distribuí-lo por todo o corpo;

Permaneça assim por 4 minutos;

Abra os olhos. Sinta o que está ao seu redor. Pensamentos, agora, são bem-aceitos. A intuição pode lhe visitar;

Nada funcionou? Seja perseverante. Nem os mestres tiveram as suas intuições no princípio de seu treinamento.

Fonte: Revista Estilo Natural

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: