jump to navigation

Eles disputam o seu coração 05/05/2007

Posted by Esclerose Múltipla in Espaço médico, Qualidade de vida.
trackback

Alguns alimentos podem proteger ou atacar diariamente o seu ‘amigo do peito’. Descubra os ingredientes do bem e do mal que se esconde em seu prato e afaste os riscos de infarto, arritmias e derrames

Imagine se você fizesse o seguinte pedido em um restaurante: “Por favor, quero um ômega 3 grelhado, acompanhado de alfa e beta-caroteno, genisteína, adenosina e bem temperado com quercitina, alicina, trissulfeto de metil-alila, capsaicina e um fio de ácido graxo monoinsaturado. Para beber, um cálice de luteonina e resveratrol. Ah! Como sobremesa, uma salada de flavonóides e fibras insolúveis, regada a suco de triterpenóides e vitamina C e salpicada com fibras solúveis.” Certamente, o garçom não entenderia nada.

Em compensação, seu organismo sim. E o seu coração ficaria eternamente grato se esses nutrientes de nomes esquisitos fossem incluídos diariamente no seu cardápio. Em outras palavras, nosso menu ficaria assim: “Por favor, quero um peixe grelhado, acompanhado de cenoura e abóbora, ervilhas, grãos de soja e cogumelos e bem temperado com cebola, alho e pimenta e um fio de azeite extra-virgem. Para beber, um cálice de vinho tinto. Ah! Como sobremesa, uma salada de frutas, regada a suco de laranja e salpicada com aveia.”

Essa é a típica refeição dos povos mediterrâneos, como portugueses, gregos, espanhóis e italianos, e alvo de vários estudos que comprovam que ela mantém as artérias livres de gorduras e a saúde do coração.

De acordo com os especialistas, manter essa dieta mediterrânea e associá- la a hábitos de vida saudáveis, como praticar atividades físicas regularmente, não fumar e não beber, afastam os perigos que ameaçam o coração.

O elo entre a alimentação e os prejuízos para a saúde cardíaca é tão verdadeiro, que entre os principais causadores de doenças cardiovasculares estão o colesterol elevado, a obesidade e o diabetes.

Apesar disso, especialistas garantem que não há um alimento que possa ser considerado vilão ou mocinho por si só. Sua ação dependerá de como ele é consumido por você.

Confira, a seguir, os alimentos que disputam o seu coração – ou protegendo esse órgão vital ou atacando…

Os amigos do peito

PEIXES
Há uma associação entre a baixa incidência de doenças cardiovasculares e o elevado consumo de peixes e animais marinhos.

Certos tipos de peixes, especialmente os de água fria, como salmão, cavala, sardinha, arenque, atum e truta, são ricos em ômega 3. Esse tipo de gordura beneficia o coração, porque é capaz de reduzir os níveis de gordura no sangue. A pesquisadora Joyce Netleton, da Universidade de Tufts, nos Estados Unidos, constatou que o ômega 3 diminui a agregação das plaquetas, um tipo de célula do sangue que entra no mecanismo de coagulação. Essas células, mais as substâncias gordurosas do sangue, como triglicéride e colesterol, aos poucos, podem formar coágulos e placas que vão se depositar no interior dos vasos, diminuindo o fluxo sangüíneo e aumentando os riscos de infarto. O ácido graxo polinsaturado também ajuda a diminuir a viscosidade do sangue (tornando-o mais fluido), promove o relaxamento das artérias coronárias e reduz a pressão arterial.

AZEITE
“Dados epidemiológicos mostram que populações que vivem na região do mar Mediterrâneo possuem menor risco de desenvolver doenças cardiovasculares, devido ao tipo de alimentação adotada, na qual a principal fonte de gordura é o azeite de oliva”, alerta a nutricionista Rosana Perim, do Hospital do Coração (SP).

Calcula-se que 70 % da composição do azeite seja de ácido oléico, um ácido graxo que estimula o fígado a produzir HDL, o colesterol bom que arrasta para fora dos vasos o mau colesterol (LDL), aquele que entope as artérias, diminui a circulação do sangue e aumenta a pressão arterial e os riscos de infarto e derrames. Já os compostos fenólicos (também presentes no tempero) atuam como antioxidantes e impedem que o LDL se oxide e ataque as artérias. Os fenóis ainda aumentam a elasticidade dos vasos.

VINHO TINTO
Apenas uma taça da bebida por dia pode diminuir o risco de ataques cardíacos, dizem os pesquisadores. Essa proteção ao coração ocorre por conta de substâncias encontradas na película interna das cascas da uva. Conhecidas como flavonóides, elas inibem a oxidação do colesterol ruim (LDL), diminuindo as malefícios que causa aos vasos, como a formação de placas e o endurecimento de suas paredes. Além disso, os flavonóides também diminuem a agregação das plaquetas (células sangüíneas atuantes na coagulação) e, conseqüentemente, o surgimento de coágulos, que podem provocar uma obstrução fatal em vasos já bloqueados por gorduras. Entre os flavonóides, a substância mais importante é o resveratrol, componente do vinho que não é apenas antioxidante, mas que também apresenta propriedades antiinflamatórias que colaboram na prevenção de doenças cardiovasculares.

Um estudo realizado pela Universidade de Barcelona, na Espanha, e publicado na revista americana Analytical Chemistry, demonstra que o resveratrol é capaz de diminuir os níveis de LDL humano, comprovando assim seu papel protetor das artérias.

Outro estudo, realizado pelo cardiologista Protásio Lemos da Luz, do Instituto do Coração (Incor), em São Paulo, revelou que o suco natural da uva, sem a presença do álcool, também tem a capacidade de ajudar o organismo na prevenção de problemas cardiovasculares. Essa, aliás, é uma boa notícia, especialmente para quem sofre com a hipertensão. Para essas pessoas, a ingestão de álcool pode aumentar a pressão arterial e, por isso, os riscos para a saúde do coração.

VEGETAIS E FRUTAS
A vitamina C, presente em vários alimentos como a laranja, kiwi, morango, caju, acerola, mamão papaia, limão, melão, brócolis, manga, couve e ervilha, melhora a função cardiovascular e o sistema imunológico. Por isso, reduz o risco de arteriosclerose. “A recomendação de ingestão diária dessa vitamina para adultos é de 90 mg para homens e 75 mg para mulheres”, recomenda a nutricionista Thais Siqueira.

O abacate, rico em ácido oléico como o azeite, também é um poderoso aliado contra as gorduras maléficas que circulam no sangue. “Ele bloqueia a toxidade do mau colesterol”, explica Lelington Lobo Franco, químico que estuda a composição dos alimentos e autor do livro As Incríveis 50 Frutas com Poderes Medicinais. O abacate ainda é rico em vitamina E, poderoso antioxidante que ajuda a evitar doenças cardiovasculares, além do mineral potássio que auxilia no controle da pressão arterial.

SOJA
Os orientais têm uma menor incidência de problemas cardíacos não apenas porque são fãs de peixe. Mas também porque consomem quantidades consideráveis de soja. Os resultados de um estudo comparativo entre 38 pesquisas clínicas concluíram que o consumo da proteína de soja pode baixar as taxas de colesterol ruim (LDL) e incrementar a produção do bom (HDL). A Associação Cardíaca Americana recomenda o consumo de proteína de soja, porque ela tem um efeito antioxidante sobre o LDL, devido à presença da isoflavona genisteína. “Isso reduz as chances de o colesterol provocar o entupimento dos vasos coronários”, explica a nutricionista Rosana Perim Costa, gerente de Nutrição, do Hospital do Coração, em São Paulo. As isoflavonas presentes no grão diminuem a formação de coágulos que também podem entupir as artérias do coração.

Equilibra a pressão arterial. Pesquisas recentes sugerem, ainda, que o consumo de proteína de soja pode estar ligado à redução da hipertensão, fator de risco para infartos e derrames.

AVEIA
Está mais do que provada a sua capacidade de reduzir a quantidade de gordura no sangue. E nem é preciso comer grandes quantidades do cereal para que o efeito limpeza seja efetivo. O médico Michael C. Davidson, professor de cardiologia do Centro Médico do Rush Presbyterian St. Luke, em Chicago (EUA), concluiu, em seu estudo, que bastam 60 gramas (ou 2/3 de uma xícara) de aveia diariamente. Em sua pesquisa, voluntários com taxas de colesterol acima do desejado passaram a ter uma dieta pobre em gordura e que incluía uma porção de aveia no café da manhã. Resultado: os níveis de colesterol diminuíram em 16 %. Na verdade, esse poder se deve ao betaglucano, uma fibra solúvel que aumenta o tempo em que os alimentos passam pelo trato intestinal, tornando mais lenta a absorção dos nutrientes. Dessa forma, as fibras da aveia têm tempo de envolver as moléculas de gordura como se fosse uma embalagem, dificultando sua absorção e levando-as para fora do organismo nas fezes.

CEBOLA
Meia cebola por dia é o suficiente para manter o coração saudável. De tanto ouvir essa frase, o médico Victor Gurewich, professor de cardiologia da Harvard Medical School (EUA), resolveu testar a medicina popular e constatou que o antigo ditado está coberto de verdades científicas. Segundo o pesquisador, algumas substâncias da cebola contribuem para auxiliar o fígado a produzir mais HDL (o bom colesterol). Porém, o cardiologista americano faz um alerta: dê preferência ao consumo de cebola crua, pois a cozida tem o seu poder de proteção reduzido.

Os inimigos

BEBIDAS ALCOÓLICAS
Três ou mais drinques por dia são a causa mais comum de hipertensão reversível ou curável, afirma o professor N. M. Kaplan, pesquisador do Centro de Ciências da Saúde, da Universidade do Texas, em Dallas (EUA). Os médicos do Royal Perth Hospital, na Austrália, também concluíram que o álcool aumenta a pressão arterial em homens e mulheres de várias idades e grupos étnicos. Os pesquisadores dizem que mais de um drinque diário pode subir 1 mmHg (milímetros de mercúrio) a pressão sistólica (o valor mais alto), o que torna o álcool muito mais perigoso que o sal. Na análise dos especialistas australianos, a ingestão de três ou mais drinques por dia dobra o número de mulheres e homens com pressão superior a 169 mmHg por 95 mmHg – ou 17 por 9 (valores que já indicam hipertensão).

CAFÉ, CHÁ, REFRIGERANTE
Pesquisadores do Centro de Ciências da Saúde, da Universidade do Texas, em Dallas (EUA), concluíram que a cafeína (substância presente em alguns chás, café e refrigerantes) não parece ser a principal culpada pela hipertensão crônica. Ela pode elevar a pressão, ocasionalmente, em uma ou outra pessoa mais sensível. Mas, os mesmos médicos avisam: “para quem está sob estresse mental, a cafeína pode aumentar, facilmente, a pressão”. A combinação estressecafeína parece atingir mais os hipertensos ou quem já tenha predisposição para o problema.

Testes realizados na Universidade de Oklahoma (EUA) revelam que hipertensos estressados, depois de ingerir duas a três xícaras de café, têm um aumento de adrenalina, o que pode elevar a pressão e provocar arritmias.

SAL
Embora seja pouco provável que o sal seja o único causador da hipertensão, alguns estudos epidemiológicos o apontam como um dos principais coadjuvantes na elevação da pressão arterial. É que o cloreto de sódio ajuda na retenção de líquido no organismo. Mais líquido significa um maior volume de sangue correndo pelos vasos, o que pode indicar uma maior pressão sobre suas paredes. Além disso, sal em excesso pode sobrecarregar o trabalho dos rins, o que contribui para também elevar a pressão sangüínea. Segundo o pesquisador Ross D. Feldman, da Universidade Oeste de Ontário, Canadá, restringir o sal pode restaurar o funcionamento normal dos vasos, aumentando sua dilatação, o que é benéfico para as pessoas mais velhas. Os alimentos industrializados são responsáveis por cerca de 75% do sal de nossa dieta.

GORDURA SATURADA
O ácido graxo (gordura saturada), concentrado na carne vermelha, nas aves, em especial na pele, no leite integral e seus derivados, apresenta maior probabilidade de aumentar o colesterol e, conseqüentemente, o risco de um problema cardíaco. O excesso dessa gordura também estimula a formação de perigosos coágulos no sangue. Um estudo realizado no centro Universitário South Jutland, em Copenhage, na Dinamarca, revelou que o exagero no consumo desses alimentos, ricos em gordura saturada, estimula a formação de fibrinogênio, uma proteína formadora de coágulos. Quando a dieta dos voluntários se apresentou pobre em gorduras, a tendência de formar coágulos diminuiu de 10 a 15 %. Por isso, seu consumo não deve ultrapassar 10% do valor energético total recomendado diariamente.

Dicas simples para afastá-los
 Prefira laticínios e derivados do leite desnatado, com baixo ou nenhum teor de gordura.
 Troque a carne vermelha por carnes brancas, de peixe e aves.
 Substitua o sal por temperos de ervas aromáticas (como salsinha, cebolinha e orégano) que dão sabor, sem sobrecarregar sua pressão sangüínea.
Não exagere na bebida. Restrinja o consumo de álcool a um drinque (no máximo dois) por dia.

FONTES: ROSANA PERIM COSTA, NUTRICIONISTA, GERENTE DE NUTRIÇÃO – HOSPITAL DO CORAÇÃO (SP); THAIS SIQUEIRA, NUTRICIONISTA DA SPRIM BRASIL, ASSESSORIA EM NUTRIÇÃO E SAÚDE, RJ. LIVRO: ALIMENTOS: O MELHOR REMÉDIO PARA A BOA SAÚDE – JEAN CARPER (EDITORA CAMPUS); FAÇA DO ALIMENTO O SEU MEDICAMENTO – JOCELEM MASTRODI SALGADO, PROFESSORA TITULAR DE NUTRIÇÃO HUMANA DA ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTIURA LUIZ DE QUEIROZ (ESALQ/USP) (EDITORA MADRAS)

Fonte: Revista Viva Saúde, maio de 2007

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: