jump to navigation

Dormir pode evitar doenças 19/02/2007

Posted by Esclerose Múltipla in Espaço médico, Qualidade de vida.
trackback

Por Mark Thomaz Ugliara Barone

“Temos de dormir cada dia e muito bem,

para estar outro dia vivendo por inteiro e vibrando a cada instante,

com energia, disposição e bom humor.”[1]

Parece inacreditável, mas o que vêm mostrando diversas pesquisas realizadas em todo o mundo é que dormir pode evitar doenças. Muito tem sido pesquisado e dito sobre a necessidade de uma vida ativa, com exercícios físicos diários e alimentação saudável para se ter saúde, mas além disso, o sono noturno de qualidade e duração adequadas também é muito importante para se ter qualidade de vida.

Na sociedade atual, seguidora do modelo norte americano, em que tudo é muito rápido e tempo é chamado de dinheiro, as pessoas tendem a dormir cada vez menos, quando e onde é possível. Muitas vezes, escutamos alguém dizer que quando der ou sobrar tempo, irá dormir um pouco. Interessante lembrar, então, que como tempo é dinheiro, as pessoas parecem estar investindo, dizendo que irão dormir quando der ou sobrar dinheiro. Porém, esse “investimento” talvez não valha a pena, já que tem sido mostrado que quem dorme pouco ou dorme mal tem chances muito aumentadas de desenvolver doenças como depressão, obesidade, hipertensão, diabetes[2], entre outras.

Eve Van Cauter[3], professora de medicina na Universidade de Chicago nos Estados Unidos, uma das mais importantes pesquisadoras da área, aponta em pesquisa comparando indivíduos que têm 4 horas, com indivíduos que têm 10 horas de sono por noite, que os indivíduos que tiveram apenas 4 horas de sono estavam sempre com fome, desejando alimentos ricos em amido, sal e doces. Em outro estudo que comparou indivíduos jovens saudáveis que dormiam menos de 6,5 horas, com indivíduos que dormiam de 7,5 a 8,5 horas por noite, foi mostrado que o grupo que dormiu menos horas tinha mais resistência a insulina[4]. Esses resultados, assim como de outras pesquisas, indicam relação entre débito de sono e obesidade e diabetes.

Mas ainda ficam as questões: O que é dormir bem? Quanto preciso dormir? Será que durmo o suficiente em termos de horas e qualidade de sono? E talvez o pior sejam as respostas prontas, como: se você dorme 8 horas por noite está ótimo. Muito já foi mostrado, também, que as pessoas diferem quanto à necessidade de horas de sono, o que quer dizer que alguém pode estar dormindo 9 horas e pode estar sendo muito pouco para essa pessoa e outra pessoa pode dormir somente 6 horas por noite e estar muito bem. Para saber se você está tendo horas suficientes de sono de qualidade e, assim, está mais distante dos grupos de risco de doenças favorecidas pelo débito ou má qualidade de sono, preste atenção no seguinte: Você sente muita sonolência durante o dia? Depende do despertador para acordar durante a semana? Está em geral mal humorado? No fim de semana acorda bem mais tarde que durante a semana? Se você respondeu sim a algumas dessas perguntas, é aconselhável que você passe a investir um pouco mais no seu sono noturno.

Assim, tanto com o objetivo de prevenir, como com o objetivo de reduzir e controlar doenças crônicas, endocrino-metabólicas, sem falar em patologia neuro-psiquicas, a quantidade e qualidade adequadas de sono podem ser importantes aliadas. Portanto, inclua o sono em sua lista de hábitos saudáveis.

[1] Cobra, Nuno. A Semente da Vitória. Editora Senac, 15ª edição, p.90, 2000.
[2] Spiegel, K.; Leproult, R.; Van Cauter, E. Impact of sleep debt on physiological rhythms. Revue Neurologique, v. 159, (Suppl 11), p. 6S11-20, 2003.
[3] http://globalrph.healthology.com/hybrid-player/hybrid-autodetect.asp?f=sleep_disorders&c=sleep_affecthealth&b=globalrph&spg=FIF
[4] www.nhlbi.nih.gov/meetings/sdrab/02-06-26.htm#VanCauter

Fonte: GMDRB – Grupo Multidisciplinar de Desenvolvimento e Ritmos Biológicos, USP.

%d blogueiros gostam disto: