jump to navigation

Conferida medalha de Acessibilidade a academia do Rio 26/01/2007

Posted by Esclerose Múltipla in Qualidade de vida, Utilidade pública.
trackback

Não por acaso, a empresa premiada, a JB Gávea, não tem nome de Academia de Ginástica. Dessa forma, Jackie Bittencourt, sua orientadora, buscou esclarecer que todas as pessoas poderiam ter acesso e se exercitar naquele espaço, sem serem, necessariamente, ginastas.

Jackie Bittencourt sempre procurou desenvolver seu trabalho atendendo a grupos especiais, como cardiopatas, epiléticos, obesos e amputados. O primeiro foi com um paciente com paralisia cerebral, continuado com outros casos especiais.

Os esportes de base são os de longa duração e de aventura, sendo que atualmente Jackie treina um atleta maratonista que é bi amputado e corre com prótese. Ela já desenvolve este trabalho há mais de 10 anos, embora com os cadeirantes sua experiência seja recente.

A primeira iniciativa da JB Gávea voltada para a acessibilidade foi a instalação de um banheiro adaptado aos portadores de necessidades especiais ou idosos com locomoção comprometida, que dependam, ou não, de acompanhantes.

Também foi feita a aquisição de aparelhos de musculação (KINESIS) e de uma plataforma vibratória (Power Plate) que atende a este grupo de freqüentadores.

A Academia está situada em um prédio adaptado para os grupos especiais, como vaga na garagem destinada à pessoas com deficiência, que ficam isentas da taxa de administração do Rio Park.

Os elevadores têm rampa para acesso das cadeiras de roda e idosos com difícil locomoção, com portas mais largas para que a cadeira passe sem dificuldade. A altura do bebedouro segue o padrão estabelecido pelas normas de acessibilidade.

Segundo Jackie, que em janeiro inicia o treinamento em LIBRAS para toda a equipe da JB Gávea, o que mais a seduz é o desafio de ajudar o indivíduo a tornar-se mais capaz dentro da sua limitação.

Fonte: Campanha Acessibilidade

%d blogueiros gostam disto: