jump to navigation

Americano leva Nobel de Química por trabalho sobre cópia de informação genética 06/10/2006

Posted by Esclerose Múltipla in Utilidade pública, Você sabia?.
trackback

O Globo Online

ESTOCOLMO – O americano Roger D. Kornberg, de 59 anos, da Universidade Stanford, acaba de receber o Prêmio Nobel de Química, por seu trabalho sobre “como a informação armazenada nos genes é copiada e então transferida para aquelas partes da células que produzem proteínas”, diz a informação para o público divulgada pela Fundação Nobel, na Suécia. O processo de cópia é chamado transcrição.

nobel1.jpg

O vencedor do prêmio Roger Kornberg (2º à direita) comemora com os seus colegas da Universidade de Stanford o prêmio Nobel anunciado nesta quarta-feira – Reuters

“Kornberg foi o primeiro a criar um quadro real deste processo no nível molecular, no importante grupo de organismos chamados eucariotas”, diz o anúncio. “Eucariota” vem do grego “eu”, ou verdadeiro, e “karyon”, ou noz, amêndoa, isto é, núcleo. Têm um núcleo celular rodeado por uma membrana.

Se a transcrição é interrompida, o organismo morre em poucos dias. “Entender como a transcrição funciona tem uma importância médica fundamental”, diz a Real Academia Sueca de Ciências. “Perturbações no processo de transcrição estão envolvidas em muitas doenças humanas, como o câncer, cardiopatias e vários tipos de inflamação”.

Roger Kornberg, não é novo no mundo da maior distinção científica de seu ramo de trabalho. Há 47 anos, em 1959, quando ele tinha 12 anos de idade, Roger viu em Estocolmo seu pai, Arthur Kornberg, levar o Nobel de Medicina ou Fisiologia (como era chamado) “pelos estudos de como a informação genética é transferida para uma molécula de DNA para outra”, segundo a Fundação Nobel.

Foi o pai dele quem descreveu como a informação genética se transfere da célula-mãe para suas filhas. O que o filho fez agora foi “descrever como a informação genética é copiada do DNA para o que se conhece como RNA-mensageiro”. Este conduz a informação para fora do núcleo da célula, podendo então ser usada para a construção de proteínas.

Os quadros desenvolvidos por Robger Kornberg acerca deste processo permitem a observação de um ramo de RNA se desenvolvendo e “o papel de várias outras moléculas necessárias para o processo de transcrição”. Tão detalhada são as imagens, que “átomos separados podem ser distinguidos, e isto torna possível entender os mecanismos de transcrição e como ela é regulada”.

pai_nobel.jpg

Kornberg, o pai, ao receber o Nobel de Medicina em 1959 / FOTO: Reuters

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: