jump to navigation

RPG 16/08/2006

Posted by Esclerose Múltipla in Qualidade de vida.
trackback

RP o quê?
RPG! Conheça o método que enxerga o corpo como um todo, corrige a postura e ainda descobre a origem daquela dorzinha que andava incomodando

rpg.jpgJá que iremos falar de postura, que é do que trata a Reeducação Postural Global (RPG), em primeiro lugar, sente-se direito. Apóie os dois ossos mais pontudos dos glúteos (ísquios) na cadeira, mantenha os pés no chão, os ombros levemente para trás e a coluna reta. Segure a revista à sua frente mantendo os cotovelos dobrados em um ângulo de 120 graus. A posição da cabeça deve permitir que o olhar seja o mais horizontal possível. Observe sua respiração: tente inspirar e expirar na mesma medida. Pronto. Fique assim.

Talvez você esteja se sentindo um pouco “desalinhado” nessa posição. Acontece. A maioria de nós não está acostumada a se portar como deveria com o corpo, e não só por displicência. Existem fatores fora do nosso alcance que, literalmente, nos entortam. A gravidade é um deles. Sua força nos comprime achatando músculos e articulações, quadro piorado com as tensões do dia-a-dia, que enrijecem ainda mais nossa máquina. Além disso, a RPG leva em conta um probleminha que todo mundo tem mas que ninguém percebe: costumamos inspirar o ar, mas não o expiramos com o mesmo vigor. A expiração acaba acontecendo pelo simples relaxamento dos músculos inspiratórios. O resultado é uma descompensação muscular: os músculos inspiratórios, de tanta musculação, ficam fortes e rígidos, enquanto os expiratórios só são solicitados para gritar ou tossir (sabe aqueles músculos que ficam doloridos depois de um dia tossindo muito? É deles que eu estou falando).

Tudo isso provoca um desequilíbrio do corpo. E, já que precisamos de equilíbrio para nos mantermos de pé, damos início a uma série de compensações: colocamos a cabeça para a frente, elevamos os ombros, arrebitamos o bumbum, pisamos para dentro ou para fora ou entortamos as costas e por aí vai. Cada um reage de uma forma e assim se criam as patologias.

Mas não é só culpa da natureza ou dos outros. Cada um tem sua cota de responsabilidade nisso. Quem é que gosta de ler revista em uma posição desconfortável como essa que você está agora? (Não vá me dizer que você relaxou.) A gente gosta é de se estirar no sofá com os pés para fora, ou assistir à tV largado na almofada de qualquer jeito, certo? É a famosa lei do menor esforço. “Quando nos acostumamos com uma maneira, ela se torna a mais confortável e a que menos dispende energia. Se você, por exemplo, começar a descer escada dez vezes por dia, vai precisar se alimentar um pouco mais, ou seu corpo vai começar a dizer: estou com preguiça, não vá”, diz o presidente da Sociedade Brasileira de RPG, Oldack Borges.

Como nasceu
Foi prestando atenção nesses detalhes que o fisioterapeuta francês Philippe Souchard criou a RPG, no livro O Campo Fechado, de 1981. A obra é resultado de 15 anos de pesquisa em anatomia, fisiologia e biomecânica, além de diversas terapias como acupuntura, reflexologia e homeopatia. Uma das grandes mestras de Souchard foi François Mézi�res (precursora da antiginástica), de quem foi aluno por 15 anos. Foi ela quem criou a idéia das cadeias musculares, um dos princípios da RPG.

Quando várias pessoas dão as mãos e formam uma roda, o primeiro que se desequilibra e cai sai puxando os outros. É assim com nossos músculos: eles estão agrupados em cadeias musculares, que interferem umas nas outras. Se você torcer o tornozelo direito e começar a mancar (é só um exemplo), vai enrijecer os músculos posteriores da perna, dobrar o joelho, entortar a bacia, endurecer a coluna e elevar o ombro esquerdo. Dias depois, o incômodo do tornozelo acaba e você não manca mais, mas passa um tempo e você sente dor no ombro esquerdo. E aí? tratar o ombro não vai adiantar nada, se o problema está espalhado pelo corpo. Na RPG se começa da dor para chegar à causa: quando você alinha o ombro, descobre a deformidade na coluna, que colocada em seu devido lugar traz à tona o problema na bacia e assim vai, até chegar ao tornozelo.

Essa é a principal diferença do método em relação à fisioterapia tradicional, que trata apenas o local lesionado. E há estudos indicando que esse pequeno detalhe faz diferença. Uma pesquisa realizada pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) diz que 70% das pessoas que tinham dores lombares e foram tratadas com RPG relataram diminuição do sintoma a partir da décima sessão. Das submetidas à fisioterapia tradicional, 40% responderam o mesmo.

Na prática
A RPG tem oito posturas que trabalham o corpo todo simultaneamente, dando ênfase, cada uma delas, a uma cadeia muscular. As posturas nada mais são que movimentos lentos, graduais e progressivos que duram, em média, 20 minutos cada. A sessão de RPG dura uma hora e os tratamentos variam de uma a dezenas de sessões, mas a média é de 12 sessões. O objetivo é alongar e descomprimir o corpo, permitindo que os músculos se automatizem a ficar nas posições fisiologicamente corretas. Dessa forma podemos nos manter em posturas adequadas sem o esforço que você deve estar fazendo agora, tentando manter a postura correta (você ainda está lá, né?).

Mas, antes que você jogue a revista na cadeira e comece a praticar RPG sozinho em casa, é bom avisar: o tratamento é personalizado, pois parte do princípio de que cada pessoa é única. Ou seja, cada um se entorta de seu jeitinho especial. Por isso, sim, é preciso ir a um especialista, nem que seja para descobrir que posturas são as mais adequadas a você e, principalmente, como fazê-las corretamente. Quem tem algum tipo de lesão não pode, de forma alguma, realizar o método sem o acompanhamento de um fisioterapeuta com especialização em RPG.

Para os demais, se a grana estiver curta – no Brasil as sessões variam de 50 reais a 200 reais – até dá para fazer autoposturas seguindo passo a passo as instruções de algum livro sobre o assunto – como é indicado para as pessoas que realizaram o tratamento e desejam manter os benefícios. Mas antes é essencial fazer uma avaliação com um profissional.

Eu mesma fiz. Funciona assim: a partir da análise de sete zonas do corpo – cervical, ombros, dorsal, lombar, bacias, joelhos e pés – e dos sintomas relatados pelo paciente, o profissional indica os exercícios de respiração e as posturas a serem seguidas. “Se não houver dor, procuro o que mais sai da fisiologia do corpo”, diz Ana Cristina Igai.

Eu, por exemplo, me queixei de dor na cervical e me indicaram algumas posturas. Antes, porém, me ensinaram exercícios de respiração e, quando comecei a fazê-los, a fisioterapeuta me disse: você precisa aprender a respirar. Achei curioso. Nunca pensei que eu não soubesse respirar porque, bem ou mal, estou viva. Mas lembra da história, lá em cima, da defasagem das trocas? Pois é, sou mais uma vítima.

Ela me explicou que eu deveria soltar mais o ar, “enchendo o barrigão”. Mas eu não conseguia. Por um momento desisti do exercício, mas logo engrenei de novo e tive a ingenuidade de dizer: “Vou tentar outra vez”. “Outra vez? Por acaso em algum momento você parou de respirar?”, disse ela. Entendi. Era para tentar o tempo todo, a cada respiração, como você, que está aí, mantendo a postura o tempo todo, sem esmorecer.

E assim foi a sessão, cheia de micos. Eu sempre querendo me movimentar mais rápido e com mais força do que era preciso. Mas aprendi que, na RPG, devemos usar a força natural dos gestos. E que, quanto maior o tempo em cada movimento, maior o alongamento. É preciso paciência, porque os músculos precisam se acostumar às novas posturas. Por isso propus aquele desafio a você no início da matéria. E aí, como se saiu? Se não conseguiu se manter na posição até agora, pense bem: você pode estar precisando de RPG. Para saber mais

Sites

Livros

  • Reeducação Postural Global: Método do Campo Fechado, Philippe Souchard, êcone
  • As Autoposturas Respiratórias, Philippe Souchard, Manole
  • RPG – Fundamentos da Reeducação Postural Global, Philippe Souchard, É Realizações

Fonte: Vida Simples

Anúncios

Comentários»

No comments yet — be the first.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: