jump to navigation

Investimento pesado em propaganda 02/08/2006

Posted by Esclerose Múltipla in Terapia Ocupacional, Utilidade pública.
trackback

Em seu livro Políticas farmacêuticas a serviço dos interesses da saúde? (Editora Unesco/Anvisa), José Augusto Barros mostra que os gastos em publicidade ficam entre 15% a 20% do faturamento global da indústria farmacêutica, quantia que representa o dobro, quando não o triplo, do que é investido na pesquisa e desenvolvimento de novos medicamentos. Os meios de divulgá-los são os mais diversos: propagandas em revistas especializadas, patrocínio de eventos, brindes, amostras grátis, viagens, anúncios na mídia. Segundo o pesquisador, a atitude pouco crítica dos médicos diante das propagandas não mudou, apesar dos estudos divulgados. Ao contrário, a abordagem das empresas se sofisticou com novas tecnologias de divulgação de seus produtos, como as videoconferências, utilizadas para ter a adesão dos médicos, relata.

Paula Soyama

Fonte: SOYAMA, Paula. Idéia de que a saúde pode ser comprada intensifica o consumo de medicamentos. Cienc. Cult., Apr./June 2006, vol.58, no.2, p.11-12.

Artigo relacionado: Novo site sobre EM não é independente

%d blogueiros gostam disto: