jump to navigation

Síndrome de esclerose múltipla like na síndrome de Sjögren 02/07/2006

Posted by Esclerose Múltipla in Espaço médico, O que significa?.
trackback

A Síndrome de Sjögren é uma doença auto-imune crônica, em que o sistema imunológico do próprio corpo do paciente erroneamente ataca as glândulas produtoras de lágrimas e saliva. Os linfócitos infiltram-se por estas glândulas provocando diminuição da produção de saliva e lágrimas.

Características principais: secura nos olhos e na boca. Pode também causar secura de pele, nariz e vagina e pode afetar órgãos do corpo, inclusive os rins, vasos sangüíneos, pulmões, fígado, pâncreas e cérebro. Fadiga e dor nas articulações podem comprometer de forma significativa a qualidade de vida do paciente. Estima-se que quatro milhões de americanos tenham a Síndrome de Sjögren, muitos deles sem diagnóstico. Nove entre dez pessoas com Sjögren são mulheres. Embora a maioria das mulheres diagnosticadas costume estar na menopausa ou ainda com mais idade. Sjögren pode ocorrer também em crianças e adolescente. Mulheres jovens com Sjörgren podem apresentar complicações na gravidez. No Brasil, não se sabe o número exato de portadores da Síndrome de Sjögren. A causa (ou causas) específica da SS não é conhecida, mas múltiplos fatores provavelmente estão envolvidos, dentre os quais os genéticos, viróticos, hormonais ou suas interações(1).

A síndrome de esclerose múltipla like é uma das manifestações neurológicas possíveis da síndrome de Sjögren.

O envolvimento do SNC na SS é relativamente frequente, com uma prevalência estimada em cerca de 20 a 25%. Tanto o cérebro como a espinhal medula podem estar envolvidos.

De particular importância é a síndrome de esclerose múltipla like. Nos pacientes com SS, os achados clínicos, eletrofisiológicos, parâmetros do líquor e achados na ressonância nuclear magnética são indistinguíveis dos observados na esclerose múltipla, sendo muitas vezes difícil de distinguir a esclerose múltipla primária da Síndrome de Sjögren (SS) com mielopatia crónica. Assim, vários autores defendem, atualmente, que a SS deve ser sistematicamente investigada em todos os doentes com esclerose múltipla, como diagnóstico diferencial a ter em conta, mesmo não estando definido se as duas entidades podem ser encaradas separadamente ou se a SS associada à esclerose múltipla pode ser definida como SS secundária, dado que pode vir a ter importância em termos terapêuticos, nomeadamente para fármacos que estão presentemente a ser ensaiados e que parecem vir a ter um futuro promissor no tratamento da esclerose múltipla(2).

Fontes:

  1. Síndrome de Sjögren -Dr. Marcelo Cruz Rezende – reumatologista / MS Baseado em texto da “Arthritis Foundation”. Sociedade Brasileira de Reumatologia
  2. Manifestações neurológicas da síndrome de Sjögren – Rui António Vieira Antunes. Lusomed
Anúncios
%d blogueiros gostam disto: