jump to navigation

Ressonância magnética com tensor de difusão na Esclerose Múltipla 16/06/2006

Posted by Esclerose Múltipla in Espaço médico.
trackback

A ressonância magnética com tensor de difusão permite a avaliação da integridade dos feixes de substância branca e fornece informações adicionais não disponíveis com as técnicas convencionais de RM.

A avaliação da medula espinhal é importante no diagnóstico e seguimento dos pacientes com esclerose múltipla.

O grupo de pesquisadores dos departamentos de radiologia e neurocirurgia do New York University Medical Center, investigou as alterações nas imagens de ressonância magnética com tensor de difusão (DTI – diffusion tensor imaging) em diferentes regiões da medula espinhal aparentemente normal, de 24 pacientes com esclerose múltipla remitente recorrente (EMRR).

Regiões aparentemente normais por outros métodos, mostraram alteração na DTI. Segundo os autores, os achados podem provar a utilidade do exame para detectar patologias ocultas da medula espinhal, predizer o curso clínico, monitorar a progressão da doença e os efeitos terapêuticos na esclerose múltipla.

Fonte: S.M. Hesseltine, M. Law, J. Babb, M. Rad, S. Lopez, Y. Ge, G. Johnson, and R.I. Grossman. Diffusion Tensor Imaging in Multiple Sclerosis: Assessment of Regional Differences in the Axial Plane within Normal-Appearing Cervical Spinal Cord. AJNR Am. J. Neuroradiol., Jun 2006; 27: 1189 – 1193.

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: