jump to navigation

Alimentação correta pode ajudar a prevenir os sintomas da depressão 15/06/2006

Posted by Esclerose Múltipla in Espaço médico, Utilidade pública.
trackback

Sinopse preparada por: Bárbara F. Nogueira, pós-graduanda do LIM27.

O consumo dos certos alimentos pode ajudar a reduzir os sintomas relacionados à depressão. Isto é o que sugere um recente artigo publicado na revista Biological Psychiatry, por um grupo do Departamento de psiquiatria da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos.

Apesar de décadas de pesquisas, a neurobiologia da depressão e a resposta aos tratamentos ainda não são muito bem entendidos. O fato de vários estudos correlacionarem os sintomas depressivos com baixo nível de Omega-3 no plasma e nas membranas das células vermelhas; aliado à diferença da prevalência da depressão entre diferentes populações, levou os pesquisadores a acreditarem que a dieta pudesse exercer alguma influência sobre a depressão.

Deste modo, cientistas do Harvard’s McLean Hospital em Belmont, Massachusetts; observaram os efeitos da uridina e do Omega-3 em ratos durante o FST (forced swim test ou teste de natação forçada). Neste teste os animais são forçados a nadarem em um local de onde não há como escapar; assim eles acabam ficando desmotivados e boiam fazendo poucos movimentos. Entretanto, se os animais forem tratados com antidepressivos convencionais, eles permanecem ativos por período maior, procurando escapar. Assim, como o grupo de animais tratados com as drogas anti-depressivas, os animais que tiveram sua dieta suplementada com Omega-3 (30 dias antes do início dos testes), e também aqueles que receberam injeções com altos níveis de uridina, se mantiveram mais ativos e determinados a encontrar uma saída no FST.

O Omega-3 é um ácido graxo poli-insaturado que é incorporado às membranas neurais e parece ter profundos efeitos na fluidez das mesmas, além de estar relacionado com a função mitocondrial, relacionada ao fornecimento de energia para as células. Já a uridina possui papel nas reações bioquímicas das mitocôndrias e pode influenciar no controle do humor e outros processos mentais.

Os dados sugerem que os tratamentos que afetam o metabolismo dos fosfolipídios e a fluidez da membrana podem ser promissores no tratamento de humanos com sintomas depressivos, indicando uma nova alternativa para o desenvolvimento de novos fármacos. Castanhas e peixes de águas profundas são fontes ricas nestes nutrientes.

“Antidepressant-like effects of uridine and Omega-3 fatty acids are potentiated by combineded treatment in rats” – Carlezon WA, et al. Biol Psychiatry 2005, 57:343-350.

Fonte: Laboratório de Neurociências – Instituto de Psiquiatria – USP

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: