jump to navigation

Diagnóstico e Tratamento da Espasticidade (2001) 24/05/2006

Posted by Esclerose Múltipla in Espaço médico.
trackback

Autoria: Lianza S, Pavan K, Lourenço AF, Fonseca AP, Leitão AV, Musse CAI, Santos CA, Masiero D, Quagliato E, Fonseca Fº GA, Granero LHM, Gianni MAC, Gal PLM, Rosetto R, Belizzi D, Greve JMD, Sposito MMM.

A espasticidade é um distúrbio freqüente nas lesões congênitas ou adquiridas do Sistema Nervoso Central (SNC) e afeta milhões de pessoas em todo o mundo. Pode ser causa de incapacidade por si só, afetando o sistema músculo esquelético e limitando a função motora normal. Inicialmente, dificulta o posicionamento confortável do indivíduo, prejudica as tarefas de vida diária como alimentação, locomoção, transferência e os cuidados de higiene. Quando não tratada, causa contraturas, rigidez, luxações, dor e deformidades.

A definição mais aceita da espasticidade é que se trata de uma desordem motora, caracterizada pela hiperexcitabilidade do reflexo de estiramento com exacerbação dos reflexos profundos e aumento do tônus muscular.

A espasticidade surge em situações clínicas tais como: acidente vascular cerebral, paralisia cerebral, lesões medulares, neoplasias, trauma crânio-encefálico, doenças heredodegenerativas e desmielinizantes entre outras alterações do neurônio motor superior.

Para ler o texto completo clique aqui (pdf).

Fonte: Lianza S, Pavan K, Lourenço AF, Fonseca AP, Leitão AV, Musse CAI, Santos CA, Masiero D, Quagliato E, Fonseca Fº GA, Granero LHM, Gianni MAC, Gal PLM, Rosetto R, Belizzi D, Greve JMD, Sposito MMM. Diagnóstico e Tratamento da Espasticidade. Sociedade Brasileira de Medicina Física e Reabilitação e Projeto Diretrizes (AMB e CFM) – 28 de maio de 2001.

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: