jump to navigation

TGN1412: Será esse um exemplo de pesquisa biomédica do futuro? 28/04/2006

Posted by Esclerose Múltipla in Espaço médico, Utilidade pública.
trackback

O que prometia ser um medicamento revolucionário para o tratamento da esclerose múltipla, artrite reumatóide e leucemia, o anticorpo monoclonal TGN1412, fabricado pela empresa alemã TeGenrero AG, mostrou-se uma bomba com ação devastadora em humanos no teste clínico (fase 2) realizado no Reino Unido, dia 13 de março de 2006.

A empresa americana Parexel International Corp., com escritórios também no Brasil e especializada em pesquisas clínicas, foi contratada para realizar o teste clínico, sob a supervisão do órgão britânico responsável pela regulamentação de medicamentos e o comitê do hospital onde foi realizado. Foram recrutados oito jovens saudáveis, dos quais dois receberam placebo. Os seis que receberam a droga desenvolveram dores excruciantes e falência de múltiplos órgãos (inflamação generalizada). Passaram dias na unidade de terapia intensiva em estado grave e, não fosse pelos avanços na medicina intensiva e pela rapidez dos cuidados, estariam mortos. Um deles ainda está internado e com risco de perder os dedos das mãos e pés.

Receberam a droga sem a espera de um tempo razoável entre um e outro, o que poderia ter evitado que pelo menos cinco deles sofressem. Peritos examinaram a presença de falhas, como contaminação e dosagem, mas não encontraram nenhum erro neste sentido. O que mais chocou a comunidade científica foi o papel que assinaram para consentir com o estudo, além de criticado pela falta de informações sobre os riscos potenciais e tendenciosidade para a benignidade da droga, ainda constava que, caso desistissem em alguma fase do teste, não receberiam nada.

Em muitos países é legal receber em testes de toxicidade da droga. Os jovens são os que mais caem nesta armadilha e os motivos são variados, como um dos participantes que desejava, com o dinheiro, realizar um curso.

Marcelo Leite, doutor em Ciências Sociais da Unicamp e colunista da Folha de São Paulo, qualifica como: “Compêndio de modernidade: “starup” de alta tecnologia, sinergia de competências específicas, terceirização, agência reguladora, comitês locais autônomos e globalização. E PRECARIZAÇÃO”. Finaliza o seu texto com uma verdade e questionamento muito importantes: “Valores como respeito, compaixão e solidariedade parecem ter pesado muito menos neste estudo, que a busca por prioridade, prestígio, patentes e lucros. Será esse um exemplo de pesquisa biomédica do futuro?

Escrito por Tica, baseado no texto O exemplo TGN1412 de Marcelo Leite. Folha de São Paulo. 16 de abril 2006.

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: