jump to navigation

Depressão e Esclerose Múltipla 26/04/2006

Posted by Esclerose Múltipla in Espaço médico.
trackback

Por: Antonio de Souza Andrade Filho

A associação entre depressão e esclerose múltipla (EM) apresenta prevalência que varia de 35 a 54%, sendo que 15% dos portadores de EM morrem por suicídio com taxa de suicídio entre esses doentes 7,5 vezes maior que na população geral.

Estudos apontam para uma base fisiopatológica comum entre essas patologias, onde lesões neurológicas que desconectam regiões do córtex entre si ou corticais-subcorticais levam a sintomas depressivos em maior freqüência.

Evidências apontam para desconexão temporo-frontal causada pela lesão do fascículo arqueado; para atividade inflamatória da EM que pode gerar alterações endrócrinas, mediadas pelo hipotálamo e para determinar base genética comum entre essas patologias.

Objetivo:
Constatar a prevalência de depressão maior em pacientes com EM tratados no ambulatório de Neurologia em Salvador-BA.

Método:
Portadores de EM, sem surto e distúrbio cognitivo, acompanhados na Fundação de Neurologia. Nesses pacientes foi aplicado o Inventário de Beck para Depressão, de auto-avaliação. Os pontos de corte utilizados foram os que Kendall et ai. (1987) recomendam: escores acima de 15 para detectar disforia e depressão para escores acima de 20.

Resultados:
Entre 59 pacientes portadores de EM, 27 (45,8%) apresentaram diagnóstico de depressão maior, e desses, 41,7% têm ideação suicida.

Discussão:
O presente estudo traz a lume achados que são congruentes com a literatura, salientando a necessidade da realização de novos trabalhos para melhor entendimento dessa associação nosológica.

Fonte: Apresentação em Congresso – 2003 (Anais do XXI Congresso Brasileiro de Psiquiatria)

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: