jump to navigation

Tratamento com picadas de abelhas 15/04/2006

Posted by Esclerose Múltipla in Espaço médico.
trackback

Não existiam estudos clínicos que justificassem o uso do tratamento alternativo com picadas de abelhas na esclerose múltipla até 2005, quando pesquisadores holandeses da Universidade do Centro Médico de Groningen, realizaram um estudo randomizado, tipo crossover, cujo objetivo foi avaliar a influência deste tipo de tratamento no aparecimento de novas lesões na ressonância nuclear magnética cerebral (RNM) com realce pelo contraste e avaliação, através de escalas, da atividade da doença, incapacidade, fadiga e qualidade de vida de 26 pacientes com EM remitente-recorrente e secundariamente progressiva com surtos. Foram 24 semanas de tratamento com picada de abelhas vivas (máximo de 20 abelhas) três vezes por semana. O tratamento foi bem tolerado e sem aparecimento de efeitos adversos graves. No grupo tratado com picadas de abelhas não houve redução do número de novas lesões na RNM. Não houve melhora da incapacidade, fadiga e qualidade de vida.

Os autores concluíram que o tratamento com veneno de abelhas em pacientes com EM com surtos não reduziu a atividade da doença, a incapacidade ou a fadiga e não melhorou a qualidade de vida.

Fonte: Wesselius T, Heersema DJ, Mostert JP, Heerings M, Admiraal-Behloul F, Talebian A, van Buchem MA, De Keyser J. A randomized crossover study of bee sting therapy for multiple sclerosis. Neurology. 2005 Dec 13;65(11):1764-8.

palavras-chave: apiterapia; abelha.

Citado e adaptado por Tica

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: