jump to navigation

Sinal de Lhermitte 12/04/2006

Posted by Esclerose Múltipla in Espaço médico, Você sabia?.
trackback

O sinal (ou sintoma) de Lhermitte é a sensação de descarga elétrica, determinada pela flexão da coluna cervical, que percorre toda a coluna e membros. Antes de receber este nome era conhecido como “sinal do barbeiro” ou “sinal da cadeira do barbeiro”.

Lhermitte J., Bollak J. e Nicolas M., em 1924, descreveram uma paciente de 43 anos que, ao abaixar a cabeça, sentia um choque violento no pescoço e uma dor tipo choque elétrico que percorria todo o corpo, da cabeça aos pés, descendo pela coluna vertebral.

Foi Jacques Jean Lhermitte (1877 – 1959), neurologista e neuropsiquiatra francês, que fez a correlação do sinal com a desmielinização do cordão posterior da medula cervical, mas o fenômeno foi descrito anteriormente por Pierre Marie e Chatelin (1917). Os últimos relataram o sinal em pacientes após trauma craniocerebral – sensação de “pinos e agulhas” percorrendo a espinha e os membros após a flexão cervical. Babinski e Dubois (1918) publicaram o artigo: Douleurs à forme de décharge électrique consécutives aux traumatismes de la nuque.

Embora ocorra em outras circunstâncias como, por exemplo, trauma da porção cervical da medula espinhal, tumores do cordão cervical, osteofitose cervical, mielopatia por radiação, toxicidade pela cisplatina, hérnia de disco cervical, deficiência de vitamina B12, este fenômeno é mais comum na esclerose múltipla. Al-Araji e Oger (2005) encontraram o sinal em 41% dos 300 pacientes com esclerose múltipla que estudaram e uma relação significativa do sinal com alterações cervicais na ressonância nuclear magnética.

Bibliografia:

  1. Marie P, Chatelin C: Sur certains symptômes vraisemblablement d’origine radiculaire chez les blessés du crâne. Rev Neural 1917; 31:336.
  2. Babinski J, Dubois R: Douleurs à forme de décharge électrique consécutives aux traumatismes de la nuque. Presse Med 1918;26:64.
  3. Lhermitte J, Bollack J, Nicolas M: Les douleurs à type de décharge électrique consécutives à la flexion céphalique dans la sclérose en plaques: Un cas de forme sensitive de la sclérose multiple. Rev Neurol 1924;39:56-62.
  4. Garcia-Moreno JM, Izquierdo G. Lhermitte’s sign. Neurologia. 2002 Mar;17(3):143-50.
  5. Al-Araji AH, Oger J. Reappraisal of Lhermitte’s sign in multiple sclerosis. Mult Scler. 2005 Aug;11(4):398-402.
  6. Enersen O.D. Jacques Jean Lhermitte.Who named it?
Anúncios
%d blogueiros gostam disto: