jump to navigation

Sistema de faltas, digo, cotas 23/03/2006

Posted by Esclerose Múltipla in Legislação e afins, Utilidade pública.
trackback

mq.jpgQuantas cotas faltam para que os deficientes sejam respeitados como cidadãos? Com o trabalho não há queixas, existem as cotas para deficientes no serviço público civil da União (Lei 8.112/90, art. 5°, § 2°), outra para o setor privado (Lei 8.213/91, art. 93) e até leis que multam o não cumprimento destas leis de cotas. Por outro lado, falta estrutura pública, falta qualificação dos deficientes, faltam funcionários para fiscalização do sistema de cotas e até um conceito de “deficientes” por parte dos órgaos que não traga tanta confusão. Falta vontade política ou políticos de boa vontade e também falta consciência social ou mesmo a consciência individual. Na verdade falta muita coisa mesmo, divulgação das deficiências pelos meios de comunicação, discussão e participação ativa da sociedade, tolerância e respeito. Já os deficientes têm que ser muito tolerantes para, diariamente, lidar com a falta de diálogo, falta de emprego, falta de remédio, falta de rampas, falta de calçadas apropiadas e, como escreveu por e-mail um colega que é cego: “falta televisão e filmes com cenas mudas explicadas em off apertando-se a tecla SAP, acessibilidade nas páginas da WEB, livros acessíveis nas livrarias”…

Descrição da imagem: a pequena imagem é um link para a matéria “Londres inauga estátua de deficiente grávida“. A obra do artista britânico Marc Quinn homenageia Alison Lapper, que tem uma doença genética chamada focomelia. A escultura na cor branca mostra Alison grávida, nua, sem braços e com pernas muito curtas.

Artigos sobre sistema de cotas:

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: