jump to navigation

Permissão para morrer: colhe-se em vida uma morte digna 17/03/2006

Posted by Esclerose Múltipla in Qualidade de vida, Utilidade pública.
trackback

Enquanto pedimos permissão para VIVER ao enviar o apelo à Governadora para a aprovação da criação de um Núcleo, com o intuito de obter medicamentos regularmente pelo Estado, muitos países desenvolvidos refletem sobre a permissão para MORRER.

Recebi um artigo de um leitor amigo do Blog, com o título “Última Escolha” (de Gianni Carta – Revista CartaCapital de 03/06, número 385) , para que refletisse sobre a questão. O assunto é muito polêmico, pois a esfera religiosa inevitavelmente bate nesta porta, mas creio que esta discussão está no topo de muitas outras que a alicerçam. Necessidades básicas de moradia e alimentação são acrescidas a cuidados especiais e altamente onerosos quando o ser humano apresenta uma doença neurológica incapacitante, como pode ocorrer na esclerose múltipla, e outras como o câncer.

Os estudos sobre morte assistida internacionais podem nos mostrar vários aspectos do tema, mas não refletem de modo algum a realidade brasileira que não dispõe ainda de todos os recursos para promoção de uma vida digna, principalmente para a população de baixa renda.

É claro que este assunto merece reflexões sérias e profundas de TODA a sociedade, principalmente dos oncologistas, neurologistas e intensivistas, pois são os profissionais que encaram esta realidade constantemente. Agora, se está difícil encontrar a participação da sociedade nas discussões sobre a VIDA, que dirá sobre a MORTE!

Quem vem primeiro, o ovo ou a galinha?

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: