jump to navigation

Espondilite Aquilosante e Esclerose Múltipla 28/05/2006

Posted by Esclerose Múltipla in Espaço médico, O que significa?.
trackback

Em função da possibilidade de envolvimento extra-articular (complicações oculares e manifestações neurológicas) na espondilite anquilosante, um dos diagnósticos diferenciais pode ser a esclerose múltipla.

A associação entre espondilite anquilosante e esclerose múltipla tem sido descrita na literatura. Para muitos autores esta associação sugere mais do que mera coincidência. 

Appenzeller S. e colegas (1) chamam a atenção de que as doenças infecciosas devem estar no diagnóstico diferencial das causas de neurite óptica nos pacientes com espondilite anquilosante.

(1) Appenzeller S, Werner de Castro GR, Sampaio-Barros PD, Sachetto Z, Samara AM, Fernandes SR. Differential diagnosis of optic neuritis in a patient with ankylosing spondylitis. Rheumatol Int. 2004 Jul;24(4):247-9. Epub 2003 Oct 31.

Disponibilizamos um resumo sobre espondilite anquilosante da Sociedade Brasileira de Reumatologia.

ESPONDILITE ANQUILOSANTE 

Autor: Dr. Marcelo Cruz Rezende – reumatologista / MS
Baseado em texto da “Arthritis Foundation”.
 

O que é?

A Espondilite Anquilosante (EA) é uma doença reumática que causa inflamação na coluna vertebral e nas articulações sacroilíacas (no final da coluna com os ossos da bacia), podendo, às vezes, também atacar os olhos e válvulas do coração. Os sintomas podem variar de simples dores nas costas, na grande maioria das vezes nas nádegas, até uma doença grave, que ataca a coluna, juntas e outros locais do corpo, resultando em grande incapacidade devido à um “congelamento” das vértebras da coluna que com o decorrer do tempo, vão dificultar inclusive um simples passo para caminhar.
A EA faz parte de um grupo de doenças conhecidas como espondiloartropatias, onde estão incluídas a Síndrome de Reiter, alguns casos de Artrite Psoriásica, e a Doença Inflamatória Intestinal (Chron, Retocolite Ulcerativa, etc.).

Causa

A causa de EA não é conhecida, mas tudo que se relaciona com as espondiloartropatias tem haver com um padrão genético, devida a existência de um marcador genético comum (HLA-B27), que está presente na maioria dos indivíduos afetados, tornando essas pessoas predispostas a ter a doença.
Em alguns casos, a doença ocorre, nestas pessoas, depois de serem acometidas de uma infecção intestinal ou urinária.
Afeta principalmente o adolescente e/ou adultos jovens, especialmente do sexo masculino, com uma incidência 03 vezes maior que nas mulheres, que normalmente tem uma doença mais moderada em sua gravidade.
Afeta menos negros africanos e japoneses, e é mais comum em alguns índios norte-americanos.

Diagnóstico

Um diagnóstico tardio é comum porque os sintomas são atribuídos freqüentemente as doenças comuns da coluna, tais como dores posturais, traumática ou psicossomáticas.
Embora a maioria dos sintomas comecem na coluna lombar , devido ao grande e freqüente acometimento das articulações sacroilíacas, esta doença também pode envolver o pescoço (coluna cervical) e/ou as costas (coluna torácica) da mesma forma.
Além das sacroilíacas, artrite também pode acontecer nas grandes articulações periféricas (ombros e quadris), mas também pequenas juntas podem se inflamar, como as dos pés e mãos. Alguns pacientes têm lesões oculares, às vezes, importantes, e nos casos mais graves, é fundamental uma avaliação cardiológica, devido à lesões valvulares.
Sintomas gerais como febre (muitas vezes alta), fadiga, mal estar geral ,perda de peso, e anemia são comuns.
A avaliação laboratorial pode revelar inflamação, anemia. Um resultado positivo do HLA-B27 ajuda a fechar o diagnóstico. Radiografias e outros exames de imagem podem demonstrar alterações características e confirmar a doença.

Tratamento

A severidade de envolvimento articular e o grau de sintomas sistêmicos pode variar enormemente de um indivíduo para outro. Um diagnóstico precoce e preciso , levando ao tratamento correto pode minimizar anos de dor e inaptidão. Este consiste em antiinflamatórios não hormonais (AINH),dos quais a Indometacina é um dos mais eficazes, ás vezes, corticosteroides e, principalmente de medicamentos de base como a Sulfazalasina e o Metrothexate, que ajudarão no controle da evolução da doença.
Exercícios são essenciais, especialmente se iniciados precocemente e de modo constante, e vão manter a flexibilidade e tonicidade muscular. Exercícios aeróbicos auxiliam na qualidade cardio-pulmonar, sendo a natação o mais indicado, especialmente se associado a alongamentos. Com isto, mesmo que o paciente tenha uma coluna anquilosada (“congelada”), pode manter uma qualidade de vida acima da média.
Infelizmente como se trata de uma doença crônica, de “tratamento eterno”, as pessoas freqüentemente desistem e, não continuam a terapia ( a grande maioria é adolescente), acarretando uma crescente incapacidade, que vai se tornando permanente.

O papel do reumatologista tratando EA

Os Reumatologista são os únicos médicos treinados a diagnosticar e tratar a Espondilite Anquilosante, atuando muitas vezes como educadores para outros médicos e leigos quando necessário. Também são os líderes nos campos da pesquisa básica e clínica desta patologia, melhorando nossa compreensão e otimizando o tratamento.

Palavras-chave: Espondiloartrose Anquilosante, Espondilite Anquilosante, Doença de Marie-Struempell, Espondilartrite Anquilopoiética, Espondilite Reumatóide   

Fonte: Sociedade Brasileira de Reumatologia

About these ads

Comentários

1. Mei Jin - 22/07/2006

Parece que me saiu a lotaria! O que dizer depois de tantos anos de queixas, às quais todos – médicos, principalmente – fizeram “ouvidos moucos”… Perdi o emprego, a minah casa, a minha alegria de viver. As dores são bem reais. O meu futuro também parece ser…

2. Tica - 22/07/2006

Mei Jin,

Sabemos que as suas dores são reais e sentimos muito por tudo o que está passando. Sabemos também da dificuldade no diagnóstico de muitas doenças como a EA e EM, por exemplo, e é por isto que criamos o site, para conscientizar a importância do diagnóstico precoce, que pode evitar sofrimentos maiores e perdas irreparáveis.
Realizamos esta mudança no presente, exercendo o nosso direito e dever de buscar ativamente meios para melhorar todo este caminho que o paciente percorre no sistema de saúde brasileiro, pois o passado não podemos mudar e o futuro nós não conhecemos. Somos uma, das muitas sementes de conscientização e agradecemos por participar abrindo o seu coração neste depoimento.
Um forte abraço.

3. ismael luz silva - 24/08/2006

Meu nome é ismael sofro da doença desde 18 anos hoje tenho 24 anos ja fui muito humilhado por peritos e alguns médicos mas tambem conheci ótimos médicos que me ajudam na medida do possivel preciso saber sobre os direitos de quem tem essa doença pois não consigo trabalhar nem obter a cura da doença .

4. Tica - 24/08/2006

Prezado Ismael,

Realmente o caminho não é fácil, mas com fé e união vamos buscando o melhor.

Temos uma seção onde você pode encontrar muita coisa sobre leis: https://esclerosemultipla.wordpress.com/lcr/

Consegui o endereço da ABRESPAN – Associação Brasileira de Portadores de Espondilite Anquilosante na Associação Brasileira de Reumatologia, mas o site que fornecem não está funcionando. Tente verificar se o número e endereço estão corretos. Com a associação você poderá tirar muitas dúvidas e trocar idéias com outras pessoas.

ABRESPAN: Rua Joaquim Antunes, 490 – conj. 71 – São Paulo/SP. CEP 05415-001. Fone/Fax: (11) 3081-5999.

Abraços e boa sorte.


Sorry comments are closed for this entry

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 721 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: