jump to navigation

Pulsoterapia endovenosa com corticóides 27/03/2006

Posted by Esclerose Múltipla in Espaço médico.
trackback

O termo pulsoterapia significa a administração de altas doses de medicamentos por curtos períodos de tempo. Na esclerose múltipla utiliza-se a pulsoterapia com corticóides sintéticos no tratamento das exacerbações (surtos). O prescrito mais comumente chama-se metilprednisolona (Solu-Medrol®). Este medicamento, administrado em curso de 3 ou 5 dias, via endovenosa, encurta a duração dos surtos, pois age diminuindo a inflamação e apresenta início de ação rápido. Em geral, após a administração venosa, segue-se com corticóide via oral (prednisona) por 5 dias ou mais, reduzindo-se a dose gradualmente até a suspensão.

A administração de corticóide endovenoso deve ser realizada em regime hospitalar ou ambulatorial, mas nem sempre é necessária internação, que é um critério médico baseado no histórico e avaliação da gravidade do paciente. Em regime de internação ou não, o paciente deve receber supervisão médica durante e após a pulsoterapia com corticóides – isto é fundamental, pois efeitos colaterais podem ocorrer. Os efeitos colaterais mais comuns em curto prazo da terapia são retenção hídrica, perda de potássio, ganho de peso, hiperglicemia transitória, perturbações gastrointestinais, acne, labilidade emocional, insônia e gosto metálico na boca.

Pulsos periódicos de metilprednisolona endovenosa (como regime mensal, por exemplo) são empregados por alguns neurologistas para pacientes com EM progressiva, mas aumentam o risco de efeitos colaterais e não há fortes evidências de que tenham um impacto favorável na progressão da doença.

Alguns efeitos colaterais dos corticóides: hipertensão arterial, hiperglicemia, hiperlipidemia, retenção de sódio e água, hiperparatireoidismo secundário, síndrome de Cushing, osteoporose, necrose óssea asséptica, miopatia, catarata, glaucoma, arritmias cardíacas, tromboembolismo, sintomas psicológicos e psiquiátricos (euforia, alucinações, depressão, insônia e psicose), acnes, ulceração gástrica, infecções.

No Brasil, o Consenso Expandido do BCTRIMS enfatiza que o neurologista deve individualizar o tratamento e dar informações quanto aos benefícios e riscos potenciais dos medicamentos. Para isto, incentiva o Consentimento Informado e o compromisso da realização de controles periódicos.

Bibliografia:

  1. Consenso Expandido do BCTRIMS para Tratamento da Esclerose Múltipla. Arq Neuropsiquiatr 2002; 60(3-B):881-886
  2. Polman CH, Thompson AJ, Murray TJ, Bowling AC, Noseworthy JH. MS: the Guide Sixth Edition
  3. Braunwald E, Fauci AS, Kasper DL, Hauser SL, Longo DL, Jameson JL. Harrison Medicina Interna. 15ª Edição. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan S.A 2001:171: 2612

Assunto relacionado: Excesso de corticóides provoca osteoporose

About these ads

Comentários

1. Esclerose Múltipla - 14/08/2006

Tomamos a liberdade de reproduzir aqui parte do comentário feito em nosso blog pelo Dr.Paulo Cesar Trevisol Bittencourt, Professor de Neurologia/UFSC, sobre corticóides:

“(…) qualquer veneno usado com sabedoria vira remédio e todo remédio usado sem sabedoria é causa de desgraças mil. Corticóides foram, melhor dizer estão sendo, o infortúnio de muitas pessoas sofredoras de “Inflamação Múltipla” (expressão mais elegante e apropriada que a horrenda “esclerose múltipla”)). Aliás, é oportuno iniciar um processo de questionamento sistemático sobre a eficácia das “maravilhosas drogas” oferecidas diuturnamente pela indústria farmacêutica. Subverter consciências é muito fácil atualmente e este sintoma de ética fragilizada abre caminho para a praga da propaganda enganosa, da qual neurologistas e neurológicos são presa fácil.”

2. Michela de Oliveira Silva - 08/09/2006

Sou portadora de EM e tenho tido um efeito colateral horrível após as pulsoterapias e que vem continuando. Minha neurologista diz ser um surto de pânico. Sinto vontade de correr, dá um desespero total. Tenho alergia a corticóide . É fato. E gostaria de saber qual o melhor tratamento nesse sentido. Tomo um antialérgico, Fenergan, antes da pulso. Mas não sei se isso que sinto é do excesso de pulsoterapia ou do Fenergan em si. Tô me sentindo péssima por ter que tomar um rivotril durante o dia também. Tomo ele à noite. E agora de dia também. Gostaria de saber se existe um outro tratamento em surtos de EM que não agrida tanto, já q tenho glaucoma, miocardiopatia moderada a leve, osteopenia, diabetes e tudo devido ao uso de corticóide em excesso. Por favor, me mandem uma resposta. Agradeço desde já!

3. Tica - 08/09/2006

Olá Michaela,

Obrigada pela visita!

O site do BCTRIMS (Comitê Brasileiro de Tratamento e Pesquisa de Esclerose Múltipla) têm explicações sobe o tratamento. Acesse o site http://www.bctrims.org.br/geral.aspx?pag=tratamentos
Você deve conversar com o seu médico sobre estas dúvidas. Não esqueça de anotá-las.

Esperamos que tudo corra bem.
Abraços.


Sorry comments are closed for this entry

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 791 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: